“Encontros com dirigentes” vão percorrer o Estado

Encontro dirigentes_2014_logo com foto

Começa em abril a nova série de “Encontros com dirigentes”.

A ação desenvolvida pelo Sindi-Clube promove contatos da entidade com dirigentes e gestores de clubes de todas as regiões do Estado.

Serão feitas 13 reuniões em que diretores e consultores do Sindi-Clube esclarecerão todos os tipos de dúvidas sobre a administração dos clubes.

Também serão apresentados os serviços e convênios que o Sindicato disponibiliza.

Neste ano, o primeiro “Encontro com dirigentes” será realizado em Santos, em 5 de abril.

Depois, a comitiva do Sindi-Clube irá percorrer outras 12 cidades paulistas, até encerrar o giro, em 8 de novembro.

“A experiência é válida para que a interiorização dos serviços prestados pelo Sindi-Clube alcance o objetivo de fortalecer os clubes nas localidades onde eles atuam. Neste ano, ampliamos o número de encontros. Esperamos que o comparecimento de dirigentes às reuniões seja ainda maior”, afirma o presidente do Sindi-Clube, Cezar Roberto Leão Granieri.

Visite o portal do Sindi-Clube e saiba mais de assuntos que interessam ao seu clube.

Não perca os prazos, acesse o calendário de obrigações e fique por dentro das datas de março

calendario março 2014

Para ficar livre de prejuízos de multas e juros, o gestor de clube deve estar atento às datas do calendário de obrigações mensais dos clubes.

A agenda com os compromissos referente ao mês de março já está disponível no portal do Sindi-Clube.

O calendário mostra os vencimentos de todos os compromissos fiscais, além de indicar a previsão de feriados e de pagamento de salários.

Além dos prazos que não podem ser perdidos, a agenda ainda oferece consulta para as tabelas do Imposto de Renda, contribuição previdenciária, incidência de INSS, FGTS e IRPF sobre vários pagamentos e até de valores para recursos trabalhistas.

Visite o portal do Sindi-Clube e saiba mais de assuntos que interessam ao seu clube.

Pepac 2014: grande expectativa dos atletas pelo início do torneio

Futsal 1b

O Pepac é o maior e mais bem organizado torneio interclubes do país, disputado durante todo o ano, a partir de março.

Os atletas que irão competir a 16ª edição deste ano, falam sobre suas expectativas e preparação com equipes de alto nível.

A atleta Angela Tunisi, do Clube Juventus, participará com mais de 60 colegas, que serão divididas por níveis técnicos em quatro times de voleibol. Ela destaca a forma como os jogos são disputados e a satisfação em participar do torneio.

voleib

“O Pepac atende às atletas de todos os níveis, o dinamismo dos jogos é muito bom, além da organização que é excelente. Nós, atletas, ficamos realizadas a cada partida, pois além das vitórias conquistadas temos a satisfação de mais um jogo. O sentimento de amizade prevalece no time com as atletas e o técnico”, disse Angela.

Já Gabriel Mota, atleta de futsal pelo Alphaville Tênis Clube, participa das competições desde a 12ª edição.

“O torneio é bem disputado e organizado. Fomos campeões ano passado e desejamos manter o título nesta próxima edição, para isto, realizamos treinos antes dos jogos e durante toda a competição”, disse Mota.

Em 2013, foram realizados mais de 2 mil jogos, com participação de 3.664 atletas divididos em 235 equipes, de 51 clubes de São Paulo, Grande São Paulo e Interior.

O Pepac é uma competição mantida pelo Sindi-Clube, especialmente dedicada a associados não federados de clubes.

Visite o portal do Sindi-Clube e saiba mais de assuntos que interessam ao seu clube.

Conheça as principais leis que alcançam os clubes

consultoria 2402

Por desenvolverem muitas atividades, os clubes estão sujeitos a uma quantidade de leis maior do que a que atinge outros segmentos, como indústria, comércio e prestação de serviços.

Os clubes, por oferecerem atividades físicas, cursos, eventos esportivos e sociais, possuírem áreas de alimentação em forma de autogestão ou terceirizada, além de práticas esportivas profissionais e não profissionais, ficam subordinados a uma infinidade de leis.

“A isso se acrescentam mais obrigações legais para os clubes que desenvolvem projetos de formação esportiva e que devem observar as rigorosas regras das leis de incentivos fiscais das áreas federal, estadual e municipal, com a devida fiscalização feita pelos respectivos tribunais de contas”, diz o consultor jurídico do Sindi-Clube, Valter Piccino.

Para orientar como o administrador deve proceder nesse verdadeiro cipoal de leis, Piccino fez um levantamento da legislação que rege os clubes, dividindo a abrangência por áreas. Acompanhe abaixo.

ADMINISTRAÇÃO

Estatuto social

O Estatuto Social e alterações posteriores, atas  e regimentos internos, elaborados à luz da Lei nº. 10.406 de 10 de janeiro de 2002 (Código Civil), devem ser registrados no Cartório de Registro Civil das Pessoas Jurídicas. Caso o clube mantenha sedes em outros municípios, deverá promover iguais registros.

Instalação e funcionamento

São necessárias as licenças da Prefeitura, Corpo de Bombeiros, Vigilância Sanitária e alvará do Juizado da Vara da Infância e da Juventude para permanência de menores.

Receita Federal e Previdência Social

O clube deve se inscrever no Cadastro Geral de Pessoas Jurídicas (CNPJ) para cada uma de suas sedes.

Inscrição Estadual

A inscrição é necessária para a exploração por conta própria de bares, lanchonetes e restaurantes, sendo esse o único tipo de comércio admitido para os clubes.

Inscrição Municipal

Inscrição no cadastro de contribuintes mobiliários, para recolhimento do ISS sobre atividades não isentas (verificar tributação na Secretaria da Receita Municipal). Os eventos abertos ao público em geral (para não associados) sofrem essa tributação.

Serviços de segurança

Se o clube tiver segurança própria, o serviço deve ser registrado na Polícia Federal, com base na Lei nº 7.102/83, alterada pela Lei nº 8.863/94 e pela Lei nº 9.017/95.

Estacionamentos

Inscrição na Prefeitura, com observância da Lei Complementar 116/03 (Imposto sobre Serviços), se o clube explorar por conta própria esse serviço.

ESPORTES

Abrangem as atividades formativas em diversas modalidades, que envolvam monitores, professores, estagiários, viagens e serviços de arbitragem: Lei nº 9.615/98, Lei geral do Desporto; Lei n. 9.696/98 (que cria a profissão de Educação Física), Consolidação das Leis do Trabalho, Convenção Coletiva de Trabalho e legislação complementar, tais como Lei nº 605/49, Decreto nº 27.048/49. O clube deverá celebrar contrato de prestação de serviços para formação esportiva. A associação deverá estar inscrita no Confef, via CREF, e indicar profissional de educação responsável pelas atividades desportivas.

Atividades competitivas em diversas modalidades, que envolvam técnicos, estagiários, viagens, serviços de arbitragem, atletas não profissionais e associados militantes são regidas pela seguinte legislação: Lei n. 9.615/98, Lei geral do Desporto; Lei n. 9.696/98 (que cria a profissão de Educação Física), Consolidação das Leis do Trabalho, Convenção Coletiva de Trabalho e legislação complementar, tais como Lei nº 605/49, Decreto nº 27.048/49. Código Brasileiro de Justiça e Disciplina, Resolução CNE nº 1, de 23/12/ 2003, Decreto nº 5.342, de 14/1/ 2005, que regulamenta a Lei nº 10.891/04, que institui a Bolsa-Atleta. Deve ser celebrado contrato de prática esportiva não profissional com outorga ou não de incentivos materiais. O clube deverá estar inscrito no Confef, via CREF, e indicar profissional de educação responsável pelas atividades desportivas.

Eventos esportivos em diversas modalidades

Devem ser observadas: Lei Complementar 116/03 – Imposto sobre Serviços, Estatuto da Criança e do Adolescente, Lei nº 8.069/90, Acessibilidade Deficientes Físicos, Lei nº 10.098/00.

SOCIOCULTURAL

Cursos oferecidos pelo clube, com a participação de instrutores, técnicos, monitores, professores e aprendizes: devem ser direcionados exclusivamente para associados, conforme Art. 53 da Lei nº 10.406/02 (Código Civil).

Eventos sociais como festas, shows, que envolvam músicos artistas, etc.: licença do Ecad, Lei nº 9.610/98 (direitos autorais); Lei nº 3.857/60, Ordem dos Músicos; Lei Complementar 116/03, Imposto sobre Serviços; Estatuto da Criança e do Adolescente, Lei nº 8.069/90, Acessibilidade Deficientes Físicos, Lei nº 10.098/00; Seguro de Acidentes Pessoais, Lei nº 11.265/02.

PISCINAS

Construção, Uso e Funcionamento: licença de produtos químicos explosivos, Lei nº 10.357 de 27 de dezembro de 2001, normatizada pela Portaria 1.274, de 26 de agosto de 2003, do Ministro de Estado da Justiça; licença da Vigilância Sanitária.

Depois de relacionar todas essas leis que regem os clubes, o consultor Valter Piccino frisa a importância do estatuto social e dos regimentos internos.

“Além de estarem regidos por leis específicas (entre elas o Código Civil e a Constituição), o estatuto e os regimentos trazem a manifestação da vontade do quadro associativo e preservam a cultura e a tradição dos longos anos de existência do clube”, afirma.

Visite o portal do Sindi-Clube e saiba mais de assuntos que interessam ao seu clube.

“Imersão em RH”: uma releitura sobre o papel dos profissionais de recursos humanos nos clubes

Imersão de RH_logotipoA Universidade Sindi-Clube irá oferecer o evento “Imersão em RH”, em 16 de maio (veja abaixo).

A atividade tem como propósito reunir profissionais de recursos humanos para realizar uma releitura do papel que exercem nos clubes, de modo a analisar e refletir sobre suas funções.

A ideia da imersão surgiu nas reuniões com gestores de RH que a Universidade realiza mensalmente, a partir de uma necessidade de atualização sobre as novidades do mercado na área.

O encontro terá orientações de aprofundamento e reconhecimento profissional em que deverá ser compreendido o valor gerado pelo trabalho exercido.

Voltado para líderes de RH de clubes, a imersão será conduzida por Tânia Zarpelão, consultora em treinamento, especialista em RH, que pretende possibilitar a reflexão sobre as ações ou a falta delas no dia a dia dos profissionais.

Quando: 16/5, das 8h30 às 13h.
Mais informações pelo telefone (11) 5054-5464.

Programa de gestão tem ferramenta que controla atividades de bares e restaurantes de clubes

café

Carregamento de créditos em cartão de consumo, gerenciamento de estoque e de matérias primas, emissão de cupom fiscal, controle de custos, cadastro de cardápios e receitas, são algumas das tarefas realizadas pelo módulo aplicado ao setor de bares e restaurantes do programa de gestão que o Sindi-Clube oferece aos filiados.

Clubes paulistas estão aderindo a essa ferramenta integrada ao sistema administrativo que gera o funcionamento das demais áreas do clube.

“O programa de gestão ganha mais uma importante funcionalidade, pois o módulo foi desenvolvido com base nas necessidades específicas, apresentadas por restaurantes e bares de clubes, e pode ser aplicado a estabelecimentos que tenham gestão própria ou terceirizada”, diz Hélio Pereira, diretor da Clic Tecnologia, empresa desenvolvedora do software.

O Sindi-Clube adquiriu a licença do programa de gestão da Clic para repassá-la aos clubes.

O uso do software que se aplica a todas as áreas administrativas custa uma taxa mensal de R$ 267,00, relativa ao suporte online e à cessão de atualizações do sistema.

Para integrar o módulo de bares e restaurantes ao programa de gestão, o clube pagará mais R$ 267,00.

Estão incluídos nesse valor a implantação e o treinamento de pessoal para o uso do programa. 

Clube elogia

O Clube Náutico Taquaritinga implantou o módulo na gestão do presidente Francisco Locilento, que ressalta o benefício para o associado:

“Antes, o controle de consumo em nosso restaurante era feito por fichas, que foram substituídas por cartões magnéticos.

O associado carrega determinado valor no cartão que, depois, será debitado, de acordo com o que for consumido. Isso facilita a administração financeira e dá comodidade ao usuário.

O módulo também é utilizado para controlar o estoque de mercadorias”, afirma.

Outras funcionalidades

O programa atua não somente na venda, mas também na compra e gerencia o estoque de maneira pormenorizada.

Permite, por exemplo, na venda de uma pizza, controlar cada um dos ingredientes que a compõem, assim como o custo.

shutterstock_94656472

Com o histórico das aquisições, é possível estabelecer com segurança o preço de venda, pois o sistema avisa sobre a variação do preço médio e a possibilidade de alteração.

Para padronizar o receituário com fichas técnicas e composição nutricional, o módulo permite o cadastro de cardápios e receitas.

O módulo ainda faz a integração de bares e restaurantes às obrigações do Sped Fiscal e EFD Contribuições, cujos envios passam a ser obrigatórios neste ano, para estabelecimentos com faturamento mensal superior a R$ 10 mil.

Outra funcionalidade é a que discrimina os impostos embutidos no preço, na emissão da nota fiscal, para atender determinação que passará a valer em junho deste ano.

Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (11) 5054-5464.

Visite o portal do Sindi-Clube e saiba mais de assuntos que interessam ao seu clube.

FALAM OS DIRETORES DO SINDI-CLUBE: “Planejamento bem executado garante serviço de qualidade para o associado”, diz José Antonio Silveira Ribeiro

O vice-presidente Financeiro do Sindi-Clube, José Antonio Silveira Ribeiro, não tem dúvidas quando perguntado qual o caminho para o administrador manter os associados satisfeitos.

“Só se consegue oferecer serviços de qualidade se, antes, houver um planejamento anual, com previsões de metas que, uma vez cumpridas, vão garantir equilíbrio financeiro para a gestão e associados com exigências atendidas, pois veem retorno do pagamento que fazem para manter o clube”, afirma.

Há várias gestões diretor financeiro do Sindi-Clube, Ribeiro fala também com a experiência adquirida em muitos anos de vivência clubística.

jose antonio

“Cheguei a São Paulo, vindo da Bahia, em 1951 e ingressei num clube de origem italiana, o Esperia, onde logo me engajei na administração da entidade. Passei por vários cargos de direção, cheguei às presidências do Conselho e da diretoria eleita. Nesse tempo todo, aprendi sobre a importância de investir no desenvolvimento dos funcionários e de sempre ouvir os associados”, diz.

Quando fala de planejamento, Ribeiro faz questão de ressaltar um fator determinante para o sucesso do clube.

“O orçamento é previsto como obrigatório nos estatutos dos clubes e essa exigência não é feita à toa. A peça orçamentária é a história da instituição, uma vez que, nela, o exercício seguinte é planejado com informações dos períodos em curso e anteriores, com a participação de todas as áreas do clube. Sua execução deve ser seguida a par e passo, por meio de relatórios para os ajustes eventualmente necessários”.

Ribeiro observa também que é preciso diferenciar as despesas que vão onerar os associados.

“As gerais, de manutenção do clube, cabem a todos. Porém, despesas específicas, como atividades de fitness, por exemplo, cabem somente aos associados que buscam aquele serviço personalizado. Equipes de competição devem ser bancadas exclusivamente por patrocínios, o associado não pode responder por esse tipo de despesa”, explica.

Na diretoria do Sindi-Clube há vários anos, Ribeiro elogia o clima de cooperação que há na entidade.

“Existe uma abertura muito grande que permite a troca de experiências. Tivemos, em 2013, um ano extraordinário de ações, com destaque para os “Encontros com dirigentes” que fazem chegar aos clubes de todo o Estado os serviços que o Sindi-Clube coloca à disposição dos filiados. O trabalho feito pelo presidente Cezar Roberto Leão Granieri à frente da diretoria tem sido muito bom”, afirma.

Visite o portal do Sindi-Clube e saiba mais de assuntos que interessam ao seu clube.

Conheça a lei que São Paulo ganhou para incentivar o esporte da cidade

Assinado hoje (12/2) o decreto que regulamenta a Lei Municipal de Incentivo ao Esporte em São Paulo. Aprovada na Câmara Municipal, a nova legislação concede incentivos fiscais para o fomento ao esporte na cidade de São Paulo.

A lei de incentivo paulistana, proposta em projeto de lei do vereador e ex-ministro do Esporte Orlando Silva, beneficiará projetos que ampliem e democratizem o acesso à prática esportiva, individual ou coletiva.

Os interessados deverão buscar patrocinadores para seus projetos esportivos, que poderão ser pessoas físicas ou jurídicas, contribuintes do ISS ou IPTU.

A Prefeitura promoverá a renúncia fiscal desses tributos que irá gerar os recursos para financiar o desenvolvimento do esporte no município.

O porcentual do imposto que o contribuinte patrocinador poderá destinar para o esporte ainda depende de regulamentação da lei pelo Executivo, que deverá ser feita em 90 dias, a contar da data publicação da lei, em 19 de dezembro.

A lei estabelece que tanto o proponente do projeto como o patrocinador não poderão estar inscritos no Cadastro Informativo Municipal, que registra pendências com o município, ou em situação irregular perante o INSS e o FGTS.

O limite do valor que deverá ser utilizado como incentivo fiscal será fixado anualmente pela Lei Orçamentária e não poderá ser inferior a 10% do orçamento estabelecido para a Secretaria Municipal de Esportes, Lazer e Recreação.

Jatene e Granieri: lei vai desenvolver esporte na cidade
Jatene e Granieri: lei vai desenvolver esporte na cidade

Os proponentes deverão apresentar, com os projetos, carta em que os patrocinadores se comprometem a incentivar as propostas, que serão analisadas em comissão de avaliação que será criada no âmbito da Secretaria de Esportes.

“Objetivamente, a lei incentiva a criação de programas ou eventos, além de ser um incentivo à manutenção de praças públicas de esporte. Há também o aspecto subjetivo, de valorização da prática esportiva e da criação de condições mais favoráveis ao seu fortalecimento”, afirmou o secretário de Esportes, Lazer e Recreação de São Paulo, Celso Jatene.

O presidente do Sindi-Clube, Cezar Roberto Leão Granieri, cumprimentou Jatene pela edição da lei.

“Foi uma conquista do secretário, pois a lei municipal de incentivo ao esporte era uma antiga reivindicação de quem promove atividades de lazer e bem-estar na cidade. Os clubes terão mais um meio para viabilizar seus projetos esportivos”, disse.

Visite o portal do Sindi-Clube e saiba mais de assuntos que interessam ao seu clube.