Jornalistas aprendem sobre rugby, em curso da Universidade SINDI-CLUBE

Duarte explica regras do rugby aos jornalistas
Duarte explica regras do rugby aos jornalistas

Nesta terça-feira (21/6) jornalistas esportivos e estudantes de jornalismo tiveram mais um curso sobre modalidades olímpicas, promovido pela Universidade SINDI-CLUBE em parceria com a Aceesp (Associação de Cronistas Esportivos do Estado de São Paulo).

O rugby, tema da exposição, foi trazido para o Brasil no século 19 e, assim como o futebol, teve como percursor Charles Miller.

Bernardo Duarte, diretor de torneios da Confederação Brasileira de Rugby, destacou durante a apresentação os aspectos táticos e práticos da modalidade, além de curiosidades.

Duarte elogiou a oportunidade de interagir com profissionais da imprensa.

“O rugby, apesar de ser entusiasmante, é pouco conhecido pelo público brasileiro. É essencial para nós ter a chance de explicá-lo para os jornalistas, aqueles que transmitem os esportes para a população. A dinâmica pôde tirar dúvidas específicas. Ver o interesse em saber mais sobre a modalidade nos deixou muito satisfeitos”, concluiu.

A série de cursos sobre modalidades olímpicas prossegue até julho.

Interessados devem enviar e-mail para contato@sindiclubesp.com.br.

Visite o portal  e curta a página do SINDI-CLUBE no Facebook para saber mais de assuntos que interessam ao seu clube.

Ciclismo: definidas equipes de estrada e BMX para a Olimpíada

Priscilla Carnaval e Renato Rezende: vagas garantidas
Priscilla Carnaval e Renato Rezende: vagas garantidas

O Brasil terá quatro representantes no ciclismo de estrada e dois no BMX para os Jogos Olímpicos Rio 2016.

Os atletas foram definidos na última semana, quando se encerrou o prazo para a pontuação no ranking mundial de BMX classificatório para a Olimpíada.

Priscilla Carnaval e Renato Rezende conseguiram as vagas por mérito.

No ranking masculino, o Brasil alcançou o 12º lugar, entre os 55 países.

Já no feminino, a classificada ficou entre as dez melhores do mundo, entre 46 países.

A equipe de estrada, de acordo com os critérios da União Ciclística Internacional (UCI), já havia garantido dois lugares na prova masculina.

Após o encerramento do ranking de nações da categoria, em 31 de dezembro de 2015, e agora, prazo final para pontuação no ranking de nações feminino, confirmou mais duas classificações entre as mulheres.

Murilo Fischer, Kleber Ramos, Clemilda Fernandes e Flávia Oliveira fecharam a equipe que disputará o maior torneio esportivo do mundo.

Os suplentes são Caio Godoy e Janildes Fernandes.

Na Olimpíada, a competição ocorrerá entre os dias 17 e 19 de agosto e o Brasil irá em busca da medalha inédita nas modalidades.

Visite o portal  e curta a página do SINDI-CLUBE no Facebook para saber mais de assuntos que interessam ao seu clube.

Conheça as medalhas olímpicas e paraolímpicas do Rio 2016

Medalhas da Olimpíada do Rio (Foto: Divulgação/ Rio 2016)
Medalhas da Olimpíada do Rio (Foto: Divulgação/ Rio 2016)

O Comitê Organizador do Rio 2016 apresentou, na última terça-feira (14/6), as medalhas que serão entregues aos atletas durante a Olimpíada, em agosto próximo.

Desenvolvidas em parceria com a Casa da Moeda, foram produzidas 5.130 peças, sendo 2.488 olímpicas e 2.642 paraolímpicas.

Pensando na sustentabilidade, mais de 30% da prata e do bronze utilizados são reciclados, enquanto o ouro utilizado não possui mercúrio.

As fitas das medalhas foram tecidas com 50% de fios PET.

Novidades

A medalha da Olimpíada do Rio será a mais pesada da história, com 500g, superando as 400g de Londres 2012.

Nas bordas existe uma gravação com o naipe e a modalidade em disputa.

As peças mantiveram o padrão dos últimos Jogos, com a deusa da vitória, Nike, no centro do estádio de Panathinaikos, na Grécia.

No verso, uma coroa de louros rodeia o logo da Rio 2016.

Medalhas paraolímpicas (Foto: Divulgação/ Rio 2016)
Medalhas paraolímpicas (Foto: Divulgação/ Rio 2016)

A medalha paraolímpica é diferente, com o logo dos Jogos de um lado e, no outro, inscrições em braile.

Elas ainda contam com guizos inéditos, que emitem sons diferentes para cada tipo de medalha, trazendo uma experiência sensorial para os vencedores.

O ouro terá o som mais forte, a prata intermediário e o bronze ainda mais fraco.

Lema da competição

O lema, característico por mudar a cada edição, também foi anunciado na cerimônia, juntamente com as medalhas:

“Rio 2016 – um mundo novo” será o slogan da Olimpíada.

Visite o portal  e curta a página do SINDI-CLUBE no Facebook para saber mais de assuntos que interessam ao seu clube.

Jornalistas têm cursos sobre vela e tênis

IMG_3493
Ricardo Reis explicou aspectos do tênis aos jornalistas

Vela e tênis abriram, nos dias 1 e 2 respectivamente, os cursos de junho sobre modalidades olímpicas para jornalistas e estudantes de jornalismo.

Promovida pela Universidade SINDI-CLUBE, em parceria com a Aceesp (Associação de Cronistas Esportivos do Estado de São Paulo), a série leva aos profissionais da imprensa aspectos táticos, práticos e históricos dos esportes que compõem a grade da maior competição esportiva do mundo.

O vice-presidente da Confederação Brasileira de Vela, John Stuart Bennett, que ministrou a exposição sobre a modalidade, achou a iniciativa uma excelente forma de divulgação.

“É positivo para ambas as partes. Nós, das confederações, difundimos os esportes e os jornalistas absorvem conhecimentos mais específicos e detalhados, que beneficiarão seu trabalho durante a Olimpíada. Pouquíssimas entidades oferecem, atualmente, algo tão enriquecedor. A Universidade SINDI-CLUBE e a Aceesp estão de parabéns”, afirmou.

Ricardo Reis, coordenador do departamento de arbitragem da Confederação Brasileira de Tênis, ressaltou que este contato próximo com a imprensa trará benefícios futuros à modalidade.

“É importante para nós que os jornalistas saibam mais sobre o tênis, pois eles irão transmiti-lo para o público em agosto, quando os Jogos Olímpicos começarem. Acredito que, com os ensinamentos do curso, eles terão mais propriedade e embasamento para comentar e reportar as partidas. Com isso, todos ganham”, concluiu.

Canoagem (7/6) e tiro esportivo (8/6) darão continuidade aos cursos na próxima semana. Interessados em participar devem mandar e-mail para contato@sindiclubesp.com.br.

Visite o portal  e curta a página do SINDI-CLUBE no Facebook para saber mais de assuntos que interessam ao seu clube.

Brasil domina Copa do Mundo de Ginástica

Daniele: destaque na Copa (Foto: Paulo Pinto/CBG)
Daniele: destaque na Copa (Foto: Paulo Pinto/CBG)

Os ginastas brasileiros dominaram, no último fim de semana, a etapa paulista da Copa do Mundo de Ginástica.

Com seis ouros, quatro pratas e três bronzes, o Brasil ficou com a primeira colocação geral do torneio.

Esse resultado deixou a CBG (Confederação Brasileira de Ginástica) otimista para a Olimpíada do Rio, em agosto próximo.

O destaque da competição foi Daniele Hypolito, com três medalhas douradas.

A atleta garantiu o primeiro lugar no salto, solo e trave e foi ovacionada pelo público presente no Ginásio do Ibirapuera.

Outro que caiu nas graças da torcida foi Arthur Zanetti, que conquistou ouro nas argolas.

Atual campeão olímpico da categoria e favorito para a próxima edição, o ginasta manteve a média dos quatro últimos campeonatos e fez 15,800 pontos, suficientes para torna-lo bicampeão.

As demais medalhas vieram com Sérgio Sasaki, um ouro e duas pratas, Arthur Nory, um ouro, Rebeca Andrade, uma prata e um bronze, Diego Hypolito, uma prata, Francisco Barreto e Carolyne Pedroum, com um bronze para cada.

O ótimo desempenho em solo nacional fez com que o Brasil ultrapassasse potências da modalidade, como Japão, Alemanha e Finlândia.

A competição é considerada um aquecimento para a Olimpíada e contou com atletas renomados de vários países.

Visite o portal  e curta a página do SINDI-CLUBE no Facebook para saber mais de assuntos que interessam ao seu clube.

Pâmella Oliveira, do triatlo, garante vaga nos Jogos

Pâmella: na Olimpíada, pela segunda vez (Foto: COB/ Divulgação)
Pâmella: na Olimpíada, pela segunda vez (Foto: COB/ Divulgação)

A capixaba Pâmella Oliveira está confirmada nos Jogos Olímpicos 2016. Melhor brasileira no ranking mundial da ITU (International Triathlon Union), a atleta disputará sua segunda Olimpíada.

Em Londres 2012, fechou a competição na 30ª colocação, após sofrer uma queda durante prova do ciclismo.

A qualificação foi definida em torneio realizado em Yokohama, no Japão.

Pâmella ficou com a 37ª posição no torneio e terminou o período classificatório em 27º, com 4.073,33 pontos.

Apesar do bom resultado, a brasileira revelou que uma crise alérgica durante a disputa influenciou negativamente em seu desempenho.

Mesmo com o problema respiratório, ela foi uma das primeiras a sair da água durante a prova de natação.

No mesmo campeonato, em Yokohama, os brasileiros que estão na disputa pela vaga olímpica, Diogo Sclebin e Danilo Pimentel, terminaram a prova em 27º e 32º, respectivamente.

A Confederação Brasileira de Triathlon, CBTri, deve divulgar novos integrantes da equipe entre os dias 23 e 25 de maio.

Visite o portal  e curta a página do SINDI-CLUBE no Facebook para saber mais de assuntos que interessam ao seu clube.

Esgrima define lista de atletas olímpicos

Esgrima quer medalha inédita (Foto: Divulgação/COB)
Esgrima quer medalha inédita (Foto: Divulgação/COB)

Já estão definidos os treze esgrimistas que representarão o Brasil na Olimpíada do Rio, em agosto.

Dez deles são de clubes paulistas. Com oito vagas asseguradas por ser país-sede e outras cinco garantidas pelo ranking mundial, a esgrima nacional terá sua maior delegação na história dos Jogos.

A lista conta com os brasileiros Renzo Agresta (Esporte Clube Pinheiros), Guilherme Toldo (Grêmio Náutico União), Henrique Marques (Esporte Clube Pinheiros), Nicolas Ferreira (Esporte Clube Pinheiros), Athos Schwantes (Academia Mestre Kato), Guilherme Melaragno (Esporte Clube Pinheiros), Rayssa Costa (Esporte Clube Pinheiros), Taís Rochel (Esporte Clube Pinheiros) e Bia Bulcão (Esporte Clube Pinheiros).

O francês Ghislain Perrier (Esporte Clube Pinheiros), a espanhola Marta Baeza (Club Athletico Paulistano), a italiana Nathalie Moellhausen (Esporte Clube Pinheiros) e a húngara Emese Takacs (Clube Militar do Rio) complementam o plantel.

Os quatro se naturalizaram para disputar a competição.

A Confederação Brasileira de Esgrima espera conquistar, pelo menos, uma medalha olímpica e alcançar um feito inédito, já que os esgrimistas brasileiros nunca subiram ao pódio.

Visite o portal  e curta a página do SINDI-CLUBE no Facebook para saber mais de assuntos que interessam ao seu clube.

Atletas ensinam prática a jornalistas em curso sobre tênis de mesa

IMG_3351
Azevedo introduz a modalidade aos jornalistas presentes

A série de cursos gratuitos para jornalistas sobre modalidades olímpicas, promovida pela Universidade SINDI-CLUBE em parceria com a Aceesp (Associação de Cronistas Esportivos do Estado de São Paulo), teve continuidade nesta quarta-feira (11/05).

Os profissionais da imprensa e os convidados, além de obterem conhecimentos sobre aspectos técnicos do esporte, também puderam testar sua habilidade, praticando tênis de mesa com a atleta olímpica Lígia Silva.

O presidente da CBTM (Confederação Brasileira de Tênis de Mesa), Alaor Gaspar Azevedo, falou sobre os projetos da federação, curiosidades e regras do esporte.

Interação com os presentes

O grande momento da exposição foi o contato que os jornalistas tiveram com a modalidade, em uma mesa de jogo montada para o encontro.

A atleta brasileira Lígia Silva, que esteve nos jogos de Sidney (2000), Atenas (2004) e Londres (2012), comandou a clínica e interagiu com os participantes,

Ela elogiou a iniciativa do SINDI-CLUBE.

“Todo jornalista tem que saber sobre as modalidades da Olimpíada. Como o tênis de mesa não é um esporte muito divulgado, esses cursos irão proporcionar mais conhecimento a eles sobre a modalidade”, comentou.

Confira o bate bola dos jornalistas com a atleta:

Visite o portal  e curta a página do SINDI-CLUBE no Facebook para saber mais de assuntos que interessam ao seu clube.

 

Brasil fecha Pan-Americano de judô com 17 medalhas

Judô brasileiro apresenta bons resultados (Foto: Divulgação/ CBJ)
Judô brasileiro apresenta bons resultados (Foto: Divulgação/ CBJ)

O judô brasileiro confirmou o favoritismo e terminou o Campeonato Pan-Americano de Havana, em Cuba, na primeira colocação geral, somando 17 pódios. Foram sete medalhas de ouro, quatro pratas e seis bronzes.

A atleta da categoria até 48kg, Sarah Menezes, praticamente garantiu vaga nos Jogos Rio 2016. Ela venceu a também medalhista olímpica Sarah Pareto, da Argentina.

A piauiense encarou a chave mais difícil da competição e, com o feito, soma agora 1.472 pontos no ranking olímpico, o que ampliou ainda mais sua vantagem sobre a rival brasileira Nathália Brígida.

Outro que fez um grande Pan-Americano foi Felipe Kitadai. Em sua categoria, até 60kg, faturou seu sexto título continental seguido e, de quebra, se aproximou da Olimpíada.

Erika Miranda, terceira do mundo, não encontrou dificuldades em ganhar o ouro da categoria até 52kg, fazendo apenas três lutas até atingir o objetivo.

A carioca Rafaela Silva, décima colocada da categoria até 57kg, estreou com derrota para a cubana Anailis Dorvigini, e teve de se recuperar na repescagem. Rafaela ficou com o bronze após vencer uma argentina e uma canadense.

A seleção terminou à frente de seus principais adversários, já que Canadá, Estados Unidos e Cuba conquistaram somente dois ouros cada.

Visite o portal  e curta a página do Sindi-Clube no Facebook para saber mais de assuntos que interessam ao seu clube.

Conheça algumas curiosidades sobre as modalidades olímpicas

shutterstock_212257297Desde que começou, em março, a série de cursos sobre modalidades olímpicas para jornalistas e estudantes de jornalismo, promovida pela Universidade SINDI-CLUBE em parceria com a Aceesp (Associação de Cronistas Esportivos do Estado de São Paulo), faz sucesso entre os profissionais da mídia.

Os participantes aprenderam, além de aspectos técnicos e históricos, curiosidades dos esportes que compõem a maior competição esportiva mundial.

O Blog do SINDI-CLUBE destaca algumas delas:

Badminton: você sabia que a peteca é feita de penas de ganso? Mas só podem ser retiradas de sua asa esquerda, já que o animal repousa sobre a direita.

Arco e flecha: “Robin Hood” é o nome dado quando um arqueiro crava uma flecha na traseira da outra. E o arqueiro pode levá-la para casa, como um “troféu” de seu feito.

Hóquei sobre grama: pouco conhecido no Brasil, é o terceiro esporte mais praticado no mundo. A Índia venceu mais da metade das medalhas de ouro da modalidade em Olimpíadas.

Taekwondo: os atletas gritam durante a execução dos golpes para colocar medo e impressionar os oponentes.

Ginástica artística: quem vê a delicadeza e sofisticação das ginastas não imagina que a modalidade, nascida na Grécia e no Egito por volta de 2600 aC, era utilizada como treinamento militar.

Levantamento de peso: surgiu de uma disputa, nos povos antigos. Quem erguesse os objetos de maior peso era o chefe do grupo. Pouco mais tarde, o esporte tornou-se um tipo de preparação para guerra.

Nado sincronizado: antes de entrar para os Jogos Olímpicos era apresentado em teatros. É uma das poucas modalidades praticadas apenas por mulheres. Existem caixas de som embaixo d’água para as atletas ouvirem a música e não sair do ritmo.

Os cursos sobre modalidades olímpicas prosseguem até junho.

Interessados em participar devem mandar e-mail para contato@sindiclubesp.com.br, com nome, telefone e empresa ou faculdade.

Assista aos vídeos

TV SindiClube_verticalQuem quiser saber mais sobre as modalidades olímpicas já apresentadas pode assistir a íntegra de alguns cursos na TV SINDI-CLUBE.

Estão disponíveis no canal as exposições sobre ginástica artísticabadmintontiro com arcoluta olímpica e hóquei sobre a grama.

Visite o portal  e curta a página do Sindi-Clube no Facebook para saber mais de assuntos que interessam ao seu clube.