Veja as fotos da palestra do diretor de comunicação dos Jogos Olímpicos

Mario Andrada afirmou que o cronograma está sendo cumprido conforme foi planejado
Mario Andrada sobre o cronograma olímpico

O cronograma dos Jogos Olímpicos está sendo cumprido conforme foi planejado e o evento estará pronto para receber os 25 mil jornalistas credenciados, e outros 8 mil não credenciados, que farão a cobertura das competições a partir de agosto, no Rio de Janeiro.

Foi o que garantiu o diretor de Comunicação para os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos, Mario Andrada e Silva, em palestra realizada nesta quarta-feira (16/3), na Universidade Sindi-Clube.

As fotos estão disponíveis na página do Sindi-Clube no Facebook.

A atividade faz parte da série de cursos sobre modalidades olímpicas oferecida a jornalistas e estudantes de jornalismo pela Universidade Sindi-Clube, em parceria com a Aceesp (Associação dos Cronistas Esportivos do Estado de São Paulo).

Saiba mais sobre a palestra aqui.

Visite o portal  e curta a página do Sindi-Clube no Facebook para saber mais de assuntos que interessam ao seu clube.

Conheça as modalidades olímpicas: futebol

Seleção feminina: ouro no futebol (Foto: CBF divulgação)
Seleção feminina: ouro no futebol (Foto: CBF divulgação)

O futebol brasileiro encerrou a participação nos Jogos Pan-Americanos de Toronto com um ouro e um bronze.

A seleção masculina, conhecida por suas grandes conquistas, ficou apenas com o bronze.

Após um início empolgante na competição, a equipe perdeu de virada para o Uruguai por 2×1 na semifinal.

Na disputa pelo bronze, o Brasil perdia o jogo para o Panamá, por 1×0, até os 30 minutos do primeiro tempo, mas com um pênalti conseguiu levar a partida para a prorrogação.

A partida acabou em 3×1 para a equipe verde e amarela, garantindo a medalha.

O ouro veio com as mulheres, que tiveram atuação impecável no Pan.

Com placares como 7×1, em cima do Equador, e 4×2, no México, a seleção chegou à final contra a Colômbia. Invictas, as atletas golearam mais uma vez, com direito a gol olímpico de Maurine, e derrotaram o time adversário por 4×0, conquistando o tri em Pan-Americanos.

O retorno de um título em competição internacional pode ser a volta do Brasil entre os melhores da modalidade, já que as expectativas de ouro na Olimpíada do Rio, 2016, cresceram após o Pan.

Nas últimas edições, a seleção feminina ganhou duas pratas, em Pequim e Atenas, além de ter sido vice-campeã do mundo em 2007.

Já a masculina levou a prata em Londres e bronze em Pequim.

Visite o portal do Sindi-Clube e saiba mais de assuntos que interessam ao seu clube.

Conheça as modalidades olímpicas: judô

Camilo: tricampeão pan-americano
Camilo: tricampeão pan-americano

O judô brasileiro encerrou a participação no Pan-Americano de Toronto com 13 medalhas: cinco ouros, duas pratas e seis bronzes.

O destaque da modalidade na competição foi Tiago Camilo que conquistou a medalha de ouro na categoria até 90kg e repetiu o feito de 2007 e 2011.

O tricampeão pan-americano venceu o cubano Asley Gonzalez, campeão mundial em 2013, no Rio de Janeiro, e prata nos Jogos Olímpicos de Londres, em 2012.

Os resultados positivos são comuns para os judocas brasileiros.

A modalidade, que é uma das mais vitoriosas do país, ficou em terceiro lugar no quadro de medalhas do Mundial de Judô de Chelyabinsk, realizado ano passado na Rússia, com uma medalha de ouro, duas de prata e uma de bronze.

Mayra Aguiar, campeã mundial, entrou para a história do judô nacional ao conquistar o ouro e se tornar a primeira com quatro medalhas mundiais.

Além disso, em Londres 2012, a seleção ficou em sexto lugar no ranking de medalhas do judô, com um ouro e três bronzes – a melhor campanha olímpica da história do Brasil na competição.

Visite o portal do Sindi-Clube e saiba mais de assuntos que interessam ao seu clube.

 

Conheça as modalidades olímpicas: esgrima

Esgrima: boas possibilidades (Foto: Rio 2016)
Esgrima: boas possibilidades

A esgrima brasileira apresentou bom desempenho nos Jogos Sul-Americanos Santiago 2014, ao conquistar duas medalhas de ouro, ambas por equipes.

O Brasil terminou sua participação com a conquista de oito medalhas (4 de ouro, 3 de prata e 1 de bronze) e com a primeira colocação no quadro geral da modalidade. Foi o melhor resultado da história da esgrima brasileira.

Para 2016, a Confederação Brasileira de Esgrima (CBE) vê boas possibilidades de medalha na participação nos Jogos Olímpicos do Rio.

Segundo o presidente da CBE, Gerli dos Santos, o Brasil tem asseguradas oito vagas nas disputas, além da possibilidade de outras, oriundas da classificação individual de atletas no ranking da Federação Internacional de Esgrima (FIE).

“Nosso principal objetivo, em 2016, é alcançar o pódio, que será um fato inédito. Estabelecemos parcerias com as principais federações internacionais, como a italiana e a norte-americana, que possibilitam que nossos principais atletas treinem no exterior”, diz Santos.

Entre os atletas que buscam preparação fora do país estão Renzo Agresta (sabre), 26º no ranking da FIE, que treina na Itália, juntamente com Athos Scwantes (espada) e Guilherme Toldo (florete).

Visite o portal do Sindi-Clube e saiba mais de assuntos que interessam ao seu clube.