Vôlei encerra série de cursos sobre modalidades em junho

Trade fala sobre a gestão adotada pela CBV
Trade fala sobre a gestão adotada pela CBV

Mais uma etapa de cursos sobre modalidades olímpicas, para jornalistas esportivos e estudantes de jornalismo, encerrou-se, nesta quarta-feira (22/6).

O vôlei, um dos esportes nacionais que mais conquistam medalhas em Olimpíadas, fechou com chave de ouro as exposições programadas para o mês de junho.

Ricardo Trade, diretor executivo da Confederação Brasileira de Vôlei, e Roberto Falcão, gerente de comunicação da entidade, foram os palestrantes do dia.

Durante a apresentação eles explicaram a história do vôlei brasileiro, além de mencionar a gestão adotada pela CBV para os Jogos Olímpicos.

Um ponto importante, ressaltado por Falcão, foi como será a relação entre imprensa e confederações/atletas, na época da maior competição esportiva mundial.

O presidente da Federação Paulista de Volleyball, Renato Pera, enalteceu a iniciativa da Universidade Sindi-Clube e da Aceesp (Associação de Cronistas Esportivos do Estado de São Paulo) de promover os esportes em um ano olímpico.

“É uma experiência ímpar, onde modalidades menos difundidas tiveram visibilidade. Esperamos ter contribuído grandemente, com as informações e conhecimentos passados para o trabalho dos profissionais da mídia durante a Olimpíada”, conclui.

Tricampeonato

No vôlei, tanto a seleção feminina quanto a masculina tentarão conquistar o tricampeonato olímpico em casa.

Ambas garantiram o ouro em Pequim, 2008, e Londres, 2012.

Na primeira fase, as mulheres enfrentarão Camarões, Argentina, Japão, Coreia do Sul e Rússia.

Já os homens terão pela frente Estados Unidos, Itália, Canadá, França e México.

Visite o portal  e curta a página do SINDI-CLUBE no Facebook para saber mais de assuntos que interessam ao seu clube.

Conheça as modalidades olímpicas: vôlei

Vôlei brasileiro saca para manter tradição vencedora (Foto: Getty Images/Elsa)
Vôlei brasileiro saca para manter tradição vencedora (Foto: Getty Images/Elsa)

O vôlei brasileiro é um dos esportes que mais ganham medalhas.

Nos Jogos de 2016, as equipes podem ser tricampeãs olímpicas em casa.

Os diversos títulos, como o bicampeonato olímpico das seleções masculina e feminina de quadra, fez com que a modalidade tenha bastante torcida e seja sempre esperança de medalhas olímpicas.

Em julho deste ano, o Brasil já tem vaga garantida na fase decisiva da Liga Mundial de Vôlei – torneio que conquistou nove vezes.

Por já ter vaga também no Rio-2016, as equipes ficarão de fora da próxima Copa do Mundo.

Hoje, no ranking mundial, o Brasil é líder no masculino e vice-líder no feminino, posições que provavelmente serão perdidas em consequência da ausência já confirmada.

Em 2014, no Campeonato Mundial Masculino, na Polônia, o Brasil chegou a sua quarta final consecutiva, mas não conseguiu defender os títulos conquistados em 2002, 2006 e 2010.

No Mundial Feminino, na Itália, o Brasil conquistou a medalha de bronze ao derrotar a Itália por 3 a 2.

Ambas as seleções foram ouro nos Jogos Olímpicos em Pequim, 2008 e em Londres, 2012.

O presidente da Confederação Brasileira de Vôlei, Walter Pitombo Laranjeiras, comenta a responsabilidade da modalidade nos Jogos Rio-2016.

“Os holofotes de todo o mundo estarão em nós. A pouco mais de um ano do início dos Jogos, nossas seleções seguem em preparação para que o vôlei, esporte que mais rendeu medalhas ao Brasil em Olimpíadas, perpetue nossa tradição na principal competição do planeta”, diz Laranjeiras.

Visite o portal do Sindi-Clube e saiba mais de assuntos que interessam ao seu clube.