5 atrações para aproveitar durante as festas juninas

Nos meses de junho e julho, os fins de semana na cidade ficam repletos de festas juninas e quermesses. Nos clubes não é diferente, com comidas, músicas e danças típicas da época, eles vão agitar os fins de semana destes meses.

Não é a toa que essa é a época do ano preferida de muita gente. As festas juninas contam com algumas atrações que não encontramos por aí em outras épocas do ano. Separamos cinco dicas do que você não pode deixar de aproveitar durante as festas juninas e quermesses.

Comidas típicas

O mês de junho é a época da colheita do milho, por isso as festas juninas contam com muitas receitas que levam esse alimento: pamonha, bolo de milho, curau, canjica, pipoca e o próprio milho cozido. Além disso, também são comuns os alimentos com amendoim. Paçoca, pé de moleque e bolo de amendoim são alguns exemplos.

Bebidas típicas

E se em junho é o começo do inverno, nada mais justo do que bebidas quentes para aquecerem o folião. É difícil encontrar uma festa junina ou quermesse sem vinho quente e quentão. Outra bebida típica é o chá do padre, feito de amendoim e leite condensado.

Correio elegante

Na hora de mandar um recadinho, esqueça qualquer aplicativo de mensagens que você tem no seu celular. A melhor opção, é mandar uma mensagem anônima pelo correio elegante ou, nas festas mais modernas, escolher uma música para a serenata elegante!

Pescaria

As festas juninas estão sempre cheias de opções de diversão e uma das mais famosas é a pescaria. Além de mostrar os seus talentos de pescador (a), você ainda pode levar para casa uma prenda bem legal. Mas se pescar não é a sua praia, arrisque-se nos outros jogos, como o das latas ou da argola.

Quadrilha

A quadrilha é uma das maiores atrações das festas juninas, sejam infantis ou com adultos, a dança e a encenação do casamento na roça sempre são divertidas e animam até quem está de fora.

Essas são algumas sugestões do que não dá para perder durante as festas juninas, mas ainda tem muito mais. Então, coloque o seu chapéu de palha e não perca as festas que acontecem até o mês de julho em nossos clubes associados.

Confira a programação e consulte o seu clube!Festa junina

 

Mais uma lei torna obrigatória a brigada de incêndio, em São Paulo

shutterstock_260223830Desde 15 de maio, uma lei paulistana (nº 16.312) ampliou a legislação que obriga estabelecimentos, como os clubes, a constituir um grupo organizado de pessoas, voluntárias ou não, treinadas e capacitadas para atuar na prevenção e combate a princípio de incêndio, abandono de área e para prestar os primeiros socorros.

A brigada de incêndio em locais de grande concentração de pessoas já era imposta antes dessa lei, por meio da legislação de segurança no trabalho e um decreto estadual, assinala a Consultoria Jurídica do SINDI-CLUBE.

Para a Consultoria, a existência da brigada de incêndio não é apenas uma questão legal, mas de proteção à vida, ao patrimônio e à reputação do clube.

É fundamental a presença de um grupo treinado para organizar o comportamento conflitante das pessoas, que podem causar caos e dificultar a evacuação do local sinistrado.

Os brigadistas são responsáveis por transmitir a postura e os procedimentos corretos em situações de emergência.

Especialistas afirmam que os primeiros cinco minutos em um incêndio, quando bem ordenados, valem mais do que as cinco horas seguintes.

Segurança no trabalho

A Consultoria Jurídica do SINDI-CLUBE alerta que a legislação de segurança no trabalho também determina que seja criado um serviço especializado em engenharia de segurança e medicina do trabalho, com a finalidade de promover e proteger a saúde dos trabalhadores.

O dimensionamento desse serviço vincula-se a gradação de risco da atividade principal. Os clubes enquadram-se no grau de risco 2 (que vai de a 1 a 4), que tem relação direta com o número total de empregados no estabelecimento.

A norma de segurança estabelece que todas as empresas e clubes devem possuir pessoas adestradas no uso correto de equipamentos contra fogo e a formar a brigada contra incêndio.

Alvará de funcionamento

O Decreto Estadual 46.076/2001, da mesma forma, faz menção à existência da brigada para a emissão do auto de vistoria do Corpo de Bombeiros, que tem validade de dois anos.

Esse documento certifica que, após a inspeção, a edificação possui condições de segurança previstas na legislação.

O clube necessita obter esse auto para instruir o processo para a renovação da licença de funcionamento nas prefeituras.

O Decreto Estadual ainda prevê que a brigada de incêndio deve estar ativa durante todo o período de funcionamento do clube, especialmente em eventos que atraem grande número de pessoas.

A brigada poderá ser formada por bombeiros civis, utilizando empregados diretos ou terceirizados.

O cálculo de componentes é variável, vai depender da população fixa (empregados) e flutuante (associados) do clube.

A Consultoria também chama a atenção dos clubes para os para-raios, que é parte integrante do sistema de proteção contra incêndios e, por isso, deve ser inspecionado periodicamente.

Outra providência importante é anunciar em eventos, abertos ao público, instruções básicas de segurança do local.

As pessoas precisam ser orientadas sobre a localização das portas de emergência, dos equipamentos contra fogo e o posicionamento da brigada e do posto médico.

Visite o portal  e curta a página do SINDI-CLUBE no Facebook para saber mais de assuntos que interessam ao seu clube

Nado sincronizado do Japão retornará ao Paineiras, antes dos Jogos

Treino da seleção japonesa na piscina do Paineiras
Treino da seleção japonesa na piscina do Paineiras

As atletas do nado sincronizado do Japão retornam às piscinas do Clube Paineiras do Morumby no início de agosto, dias antes de iniciarem a disputa dos Jogos Olímpicos, no Rio de Janeiro.

Na primeira passagem, de 20 a 27 de fevereiro, as nadadoras se deram bem. Depois dos treinamentos realizados no Paineiras, as japonesas obtiveram a classificação no torneio pré-olímpico.

Dell’Aquila
Dell’Aquila

Entrevistado pela Revista dos Clubes, o presidente do Paineiras, Daniel Fausto Dell’Aquila, ressalta a disciplina e a dinâmica dos treinamentos das visitantes, que foram observadas de perto pelo corpo técnico do clube e também pelos associados que puderam conviver com as atletas olímpicas. Acompanhe a entrevista:

Como foram os treinamentos que a seleção de nado sincronizado do Japão fez na piscina olímpica do Paineiras, antes da disputa do torneio pré-olímpico, em março?

Daniel Fausto Dell’Aquila: Foram muito proveitosos, a dinâmica criada com a participação de nosso corpo técnico e nossas atletas gerou uma motivação diferente que pôde ser sentida pelas manifestações de toda a equipe japonesa. Foram vários elogios pelo acolhimento. Eu, como atleta de judô, tive várias participações internacionais e sei que o rendimento aumenta muito quando se tem um ambiente favorável. Principalmente quando se está fora do país. Prova disso foi a classificação da seleção japonesa para a Olimpíada e o interesse em retornarem antes dos Jogos, em agosto, para novos treinamentos, nas mesmas condições.

Qual a impressão que as japonesas causaram nos técnicos do Paineiras, o que pôde ser observado?

Daniel Fausto Dell’Aquila: Nossas técnicas e atletas ficaram impressionadas com a disciplina e o foco nos treinamentos. Foram observadas novas formas e dinâmicas de preparação. Deverão aplicá-las na proporção que couberem, afinal, esse era nosso maior objetivo nessa parceria. O mais interessante, porém, foi a participação dos associados que assistiram aos treinamentos, em busca de fotos e autógrafos. Muitos, inclusive, falavam japonês, o que ajudou muito na geração do clima agradável.

O Paineiras tem uma equipe de alto nível em nado sincronizado, que representará o Brasil nos Jogos do Rio. O que esse contato poderá trazer de benefícios para o desenvolvimento desse esporte no clube e para as atletas que estarão na Olimpíada? (FALTOU COLOCAR BOLD)

Daniel Fausto Dell’Aquila: Todo intercâmbio é bom para melhora de desempenho. Como já disse antes, esse era o nosso maior interesse, ao trazermos a seleção japonesa. Teremos duas atletas na próxima olimpíada, Sabrine Lowy e Lara Teixeira. Certamente, todo esse nosso envolvimento com o nado sincronizado motiva e gera novas expectativas, além do benefício direto que é o ganho técnico com a observação de centros mais avançados .

Quantas pessoas da delegação japonesa voltarão a usar a estrutura do Paineiras, entre atletas, técnicos e preparadores físicos, e em qual período?

Daniel Fausto Dell’Aquila: Estamos agora acertando detalhes para o retorno da seleção japonesa em agosto, entre os dias 6 e10. Elas virão para abertura dos Jogos, em 5 de agosto, e depois ficam no clube até a véspera das competições do nado sincronizado. A delegação deverá ser composta por aproximadamente 15 pessoas.

O clube receberá do comitê olímpico japonês uma compensação financeira pelo uso das instalações. Qual será a destinação dessa receita extra obtida para a cessão das instalações?

Daniel Fausto Dell’Aquila: Obviamente, há uma compensação financeira, mas isso não tem importância, perto dos benefícios técnicos que teremos para nossas equipes e corpo profissional. Todos os recursos extras obtidos serão destinados para o esporte do clube.

O que os associados do Paineiras ganharão com o contato feito com as atletas olímpicos?

Daniel Fausto Dell’Aquila: Além de conviver com os atletas olímpicos, é sempre prazeroso assistir a atividades com esportistas de alto desempenho. O contato direto com uma cultura tão tradicional também é muito positivo. Acreditamos que a mídia espontânea gerada por esse intercâmbio agrega valor à marca do clube e beneficia diretamente o associado.

Como o senhor vê os clubes no contexto dos esportes olímpicos?

Daniel Fausto Dell’Aquila: Está claro que os clubes do Brasil são os grandes responsáveis pela formação e existência das equipes olímpicas. Mesmo que não invistam diretamente no alto rendimento, levam a cultura através de suas escolas de esportes e atividades recreativas e de lazer. Essas entidades são muito importantes para nossa sociedade ao disseminar todos os benefícios de bem-estar, gerados pela pratica de atividade física.

Visite o portal  e curta a página do SINDI-CLUBE no Facebook para saber mais de assuntos que interessam ao seu clube.

Clubes de Leitura completam 2 anos e projetam expansão

Clube de leitura_logotipo

Dois anos depois de lançados, os Clubes de Leitura, ação conjunta do Sindi-Clube com a Editora Companhia das Letras e Academia Paulista de Letras, são um sucesso de participação, com perspectivas de ampliar a ação de difusão literária.

Para comemorar o sucesso alcançado, mediadores e coordenadores dos 14 Clubes de Leitura já implantados reuniram-se na sede do Sindi-Clube, na manhã de 21 de agosto.

Encontro dos coordenadores de Clubes de Leitura
Encontro dos coordenadores de Clubes de Leitura

Foi apresentado um balanço dos resultados alcançados que apontou a realização, nos últimos dois anos, de 166 encontros de Clubes de Leitura, seis deles com presença de autores de livros, leitura de 72 obras de 57 autores e mais de 200 associados de clubes participantes.

Janine Durand, coordenadora dos Clubes de Leitura da Companhia das Letras, ressaltou o importante crescimento verificado nos clubes:

“A Companhia das Letras tem 55 Clubes de Leitura implantados no país, em livrarias, bibliotecas e projetos sociais. Desses 55, nada menos do que 14 estão ativos no segmento clubístico representado pelo Sindi-Clube, o que comprova o sucesso no ambiente associativo, que tem a característica especial de favorecer a convivência. Isso aproxima também os que se interessam por literatura e que desejam troca impressões sobre o que estão lendo. Temos ótimas perspectivas de crescimento nos clubes”, disse.

Possuem Clubes de Leitura instalados: Alphaville Tênis Clube, Anhembi Tênis Clube, Associação Brasileira “A Hebraica” de São Paulo, Club Athletico Paulistano, Clube Atlético São Paulo, Clube Jundiaiense, Esporte Clube Pinheiros, Primeiro de Maio Futebol Clube de Santo André e São Paulo Futebol Clube.

O que é Clube de Leitura

O Clube de Leitura segue a experiência adotada com sucesso nos Estados Unidos e Europa.

O objetivo é abrir espaço para o encontro de leitores, com vistas a estimular o diálogo e a interação entre pessoas que apreciam literatura.

Após levantar o perfil e preferências literárias dos associados, o mediador do Clube de Leitura escolhe o livro que será o objeto de discussão.

Caberá a ele conduzir as reuniões do grupo, que são mensais, com média de 12 participantes.

Os clubes de todo o Estado que tiverem interesse em implantar Clubes de Leitura devem entrar em contato pelo telefone (11) 5054-5464.

Visite o portal do Sindi-Clube e saiba mais de assuntos que interessam ao seu clube.

Clubes de Leitura ganham adeptos e conquistam espaço

Clube de leitura_logotipo

Lançados pelo Sindi-Clube há dois anos, os Clubes de Leitura transformaram-se em sucesso entre os adeptos da literatura e já somam 14 grupos que reúnem associados de clubes paulistas que se encontram para trocar impressões sobre os livros que estão lendo.

A ação feita em parceria com a Academia Paulista de Letras e a editora Companhia das Letras entusiasma os participantes, como conta Luciana Gernovic, mediadora do recém-criado Clube de Leitura do Clube Atlético São Paulo (SPAC):

Luciana
Luciana: entusiasmo dos participantes

“Bastou fazer o anúncio para mais de 30 associados do SPAC se apresentarem como interessados em participar do grupo. Escolhemos para ler “A disciplina do amor”, livro de Lygia Fagundes Teles. O Clube de Leitura transforma o exercício solitário da leitura em uma rica experiência em que as pessoas ficam felizes por encontrar interlocutores para trocar impressões e compartilhar opiniões sobre a obra escolhida”, afirma.

Outro novo Clube de Leitura foi implantado no Alphaville Tênis Clube.

Sofia: muito interesse pela leitura
Sofia: muito interesse pela leitura

“Foi grande o interesse despertado pela criação do grupo, que é importantíssimo para a vida cultural do clube. Há muitos associados interessados em participar, inclusive os mais jovens, o que mostra a importância do Clube de Leitura como incentivo à leitura. Vamos ler “Dois irmãos”, de Milton Hatoum”, conta a mediadora Sofia Ávila, do Alphaville.

Coordenado por mediadores, os Clubes de Leitura fazem reuniões mensais que incentivam o bate-papo sobre o livro escolhido pelo grupo.

Os integrantes compartilham impressões sobre a obra, num espaço de convívio e confraternização.

Em 21 de agosto, o Sindi-Clube vai realizar em sua sede um encontro de mediadores de Clubes de Leitura, que está aberto a interessados em montar novos grupos de difusão literária.

Mais informações: (11) 5054-5464.

Visite o portal do Sindi-Clube e saiba mais de assuntos que interessam ao seu clube.

Quem lida com associado de clube não pode perder este curso!

assossiado

O que garante um atendimento de qualidade, que diferencia seu clube da concorrência, a ponto de encantar o associado e fidelizá-lo?

É o que vai explicar o curso presencial “Atendimento ao associado: uma arte, um comprometimento”.

A exposição vai mostrar que apenas tratar o associado com respeito e de forma agradável não garante um atendimento de qualidade.

É preciso consciência de pontos fundamentais como postura e a imagem transmitida, percepção e comunicação.

Destinado a profissionais que atuam nas centrais de atendimento e secretarias sociais de clubes, bem como aqueles que, de alguma forma, atuam com os associados.

A expositora é Maria Cristina Baptista de Araújo, psicóloga, psicodramatista, que atua há mais de 20 anos na área de gestão de recursos humanos.

Quando: 18 e 25 de março, das 9h às 13h. Mais informações, (11) 5054-5464.

Saiba mais sobre o curso aqui.

Visite o portal do Sindi-Clube e saiba mais de assuntos que interessam ao seu clube.