Novo edital para o Bolsa-Atleta

Bolsa-Atleta: ajuda para a formação (Foto: Washington Alves/Exemplus COB)
Bolsa-Atleta: ajuda para a formação (Foto: Washington Alves/Exemplus COB)

O coordenador-geral do Programa Bolsa Atleta do Ministério do Esporte, Mosiah Rodrigues, informou que um novo edital será publicado em outubro, com foco na preparação de atletas para os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2020, em Tóquio, no Japão.

O programa, criado em 2004, concede bolsas que variam entre R$ 370 a R$ 15 mil, englobando desde competidores de jogos escolares a atletas de alto rendimento.

O dinheiro é depositado direto para o competidor, não para o gestor das modalidades.

Dos 289 convocados para competir a Paraolimpíada do Rio, 262, o equivalente a 90,6%, têm o patrocínio do programa.

“Não é todo mundo na mesma categoria, mas todos, de alguma forma, são apoiados”, disse Rodrigues.

Este ano, o Brasil conseguiu seu melhor desempenho em ambas as competições.

Na Olimpíada, terminou em 13º lugar, com 19 medalhas ao todo, sendo sete de ouro.

Já na Paraolimpíada, 14 medalhas douradas e 72 no total, deixaram o Brasil na oitava colocação do quadro geral.

Visite o portal do Sindi-Clube e saiba mais de assuntos que interessam ao seu clube.

Governo vai manter investimentos em atletas paraolímpicos

(Foto:Divulgação/CPB)
(Foto:Divulgação/CPB)

Após os Jogos Paraolímpicos, que se encerraram ontem (18/9), o governo federal continuará a investir no esporte adaptado e nos atletas de alto rendimento, com o Bolsa Atleta e o Bolsa Pódio.

A afirmação foi feita pela secretária especial dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Roseane Estrela.  Na avaliação da secretária, os Jogos do Rio se tornarão um paradigma da mudança de comportamento da população em relação às pessoas com deficiência.

“Este será, sem dúvida, o principal legado dos Jogos Paraolímpicos. A meta é que fiquemos, no final das competições, em quinto lugar no quadro de medalhas, mas o objetivo é continuar aumentando os investimentos para avançar degraus neste ranking. Estamos voltados para uma meta mais ousada para o futuro”, disse.

O governo federal investiu R$ 67,3 milhões, por meio de 17 convênios firmados pelo Comitê Paraolímpico. O objetivo é manter o crescimento do país no quadro de medalhas. Em Londres 2012, os atletas paraolímpicos brasileiros alcançaram a sétima posição no ranking geral da competição.

Visite o portal  e curta a página do Sindi-Clube no Facebook para saber mais de assuntos que interessam ao seu clube.