Ano novo, vida nova: coloque a atividade física de vez na sua rotina

*Gustavo Luz

Todo começo de ano ressurge a promessa de começar a praticar a atividade física de uma vez por todas.

Você até tenta, arrisca uma semana, duas. Mas, na terceira semana, a rotina e a correria do dia a dia acabam com as suas boas intenções antes mesmo de começar a tomar gosto pela coisa.

E de nada adianta um programa de exercícios que promete maravilhas, mas simplesmente não é compatível com a sua agenda.

Confira então três dicas simples que podem te ajudar na busca pela regularidade:

  1. Treine logo pela manhã

A melhor hora para treinar é a hora em que você pode fazer o treino direito. Pode ser de manhã, à tarde ou à noite. Seu corpo se adapta às condições da sua vida. O mais importante é estar bem alimentado e pronto para o que virá naquele dia. Entretanto, se o seu objetivo é acabar com a preguiça, talvez treinar logo pela manhã seja mais interessante, simplesmente para minimizar as chances de você acabar enrolando e não treinando.

2. Junte-se ao clube

Uma das estratégias mais eficientes de evoluir na corrida é contar com a companhia de outras pessoas. Quem treina em grupo tende a correr com mais frequência, afinal, é mais difícil ceder à preguiça quando o seu time o está esperando. E seus parceiros de treinos podem o estimular a ir ainda mais longe. Assim você fica mais motivado, melhora o seu condicionamento e dá um salto de qualidade nos seus treinos. 

  1. A força do hábito

De acordo com alguns estudos, são necessários 40 dias para se instalarem alguns hábitos (como treinar e comer melhor). Insista, porque o primeiro mês é muito importante para o sucesso do seu programa. 

 *Gustavo Luz é educador físico formado pela Estácio de Sá, treinador de corrida e triatlo desde 2006. Diretor técnico da G-LUZ Top Team vive atento a tudo que se refere à fisiologia do exercício. Também fala com conhecimento empírico de quem está sempre frequentando as competições.

 

 

Correr dia sim, dia não é ótima estratégia para os iniciantes, diz educador físico

Foto: Shutterstock
Foto: Shutterstock

Gustavo Luz*

Muitos corredores mal começam a treinar e já querem logo completar uma maratona.

Até é possível encarar os 42 km sem treinar direito, mas vale a pena?

Na melhor hipótese, a pessoa vai conseguir terminar a prova e ter uma péssima experiência.

Na pior, se machuca.

O imediatismo e ansiedade devem ser controlados.

Nessa fase inicial de treinos, use a corrida como diversão – trace metas, procure uma prova legal, e comece com distâncias curtas para ficar com aquele gosto de quero mais.

Você não precisa ganhar ou ser melhor que ninguém.

Seu desafio é com você mesmo e só depende de você.

Muitos corredores começam a treinar por conta própria.

A ideia é ganhar algum condicionamento e, quem sabe, perder alguns quilinhos, para então ingressar na academia ou na equipe de corrida para contar com ajuda profissional.

Mas, na verdade, o ideal seria buscar esse auxílio desde o início, já que treinar sem controle de distância e intensidade pode acabar te machucando, transformando o entusiasmo inicial em frustração.

Para evitar que uma lesão se aproxime correr dia sim dia não é uma ótima estratégia para os iniciantes, já que essa freqüência é suficiente para desenvolver o hábito de treinar e cria as adaptações físicas necessárias à corrida.

Além disso, uma grande parte dos corredores amadores, em todos os níveis, rende mais quando corre em dias alternados.

O dia de descanso entre os treinos ajuda o corpo a se recuperar e ganhar força.

*GUSTAVO LUZ

É educador físico formado pela Estácio de Sá, treinador de corrida e triatlo desde 2006 e praticante há quase 20 anos. Diretor técnico da G-LUZ Top Team vive atento a tudo que se refere à fisiologia do exercício. Também fala com conhecimento empírico de quem está sempre frequentando as competições.

Visite o portal  e curta a página do Sindi-Clube no Facebook para saber mais de assuntos que interessam ao seu clube.

Excesso de exercício faz mal à saúde da criança? Fisiologista responde

Foto: Shutterstock
Foto: Shutterstock

Turíbio Barros*

Excesso de exercício faz mal à saúde da criança?

Essa dúvida, certamente, faz parte das preocupações que frequentemente afetam os pais.

Na realidade, o exercício físico só pode causar problemas à saúde da criança em uma única circunstância: quando um adulto impõe, para não dizer obriga, que a criança cometa exageros esportivos.

Se for dada à criança a liberdade de realizar atividade física de forma espontânea, o risco de excesso nunca existirá.

Enquanto a criança realiza atividade física de acordo com suas próprias regras absolutamente não haverá tal exagero.

O problema pode passar a existir quando os adultos interferem na atividade física das crianças.

Quando o profissional é competente e dotado do conhecimento necessário para a adequada orientação, a interferência do adulto pode ser extremamente positiva.

Por outro lado, quando essa orientação é direcionada de maneira até obsessiva para melhora da performance em determinadas modalidades esportivas, podemos ter sérios problemas.

Por mais que a criança manifeste até certo entusiasmo pela prática de um determinado esporte, devemos ter cuidado com os programas de treinamento aplicados precocemente.

Não é raro que um entusiasmo exagerado apareça à medida que a criança percebe que a expectativa de sucesso em competições esportivas provoca uma resposta ansiosa por parte dos pais.

Muitas vezes, existe a situação de a criança estar se envolvendo em uma atividade esportiva e ter como objetivo principal satisfazer a expectativa dos pais.

Nessa circunstância, qualquer insucesso trará enorme frustração e muitas vezes o abandono da prática esportiva.

As modalidades esportivas que dependem principalmente de força e potência muscular devem ser orientadas de forma muito cuidadosa.

A aplicação precoce de exercícios de desenvolvimento da massa muscular, se não for muito bem orientada, respeitando os limites impostos pela fase de crescimento e desenvolvimento, poderá interferir de maneira bastante prejudicial à saúde.

A atividade esportiva ideal para a criança é aquela que se caracteriza pelos seguintes aspectos:

  • seja realizada com prazer pela criança, sem imposição dos pais;
  • se caracterize, predominantemente, por exercícios aeróbicos de intensidade moderada e preferencialmente com um componente lúdico;
  • seja desenvolvida espontaneamente ou orientada por profissionais competentes;
  • tenha como objetivo principal a socialização e o desenvolvimento da saúde física e mental.

*TURÍBIO BARROS

Mestre e doutor em fisiologia do exercício pela Escola Paulista de Medicina. Membro do conselho científico da Midway Labs, professor e coordenador do Curso de Especialização em Medicina Esportiva da Unifesp e fisiologista do São Paulo Futebol Clube e coordenador do Departamento de Fisiologia do Esporte Clube Pinheiros. Membro do American College of Sports Medicine. www.drturibio.com.

Visite o portal  e curta a página do Sindi-Clube no Facebook para saber mais de assuntos que interessam ao seu clube.

Estudo diz que apenas 40% dos brasileiros se exercitaram nos últimos dois anos

Foto: Shutterstock
Foto: Shutterstock

Gustavo Luz*

Uma pesquisa do IBGE de 2016 apontou um dado interessante no campo da educação física: apenas 40% dos brasileiros praticaram alguma atividade física nos últimos dois anos.

Isso significa que o Brasil tem mais de 100 milhões de sedentários.

Quem pratica atividade física às vezes não entende o cara que está sedentário, mas muita gente tem os seus motivos para não conseguir treinar.

Se você está do lado sedentário da estatística e quer começar a virar o jogo, é importante encontrar uma atividade que te deixe motivado.

Uma sugestão para quem tem pouco tempo para se dedicar ao exercício é tentar caminhar.

Saia de casa caminhe um pouco e volte para a porta da sua residência, você não perde tempo com deslocamento.

Às vezes, se quiser, pode colocar alguns trechos de corrida ou subir alguns degraus da escada do prédio, na volta pra casa.

Muitas vezes, esse sedentarismo e uma consequente obesidade estão ligados a uma baixa estima e até depressão, e isso é uma questão séria.

Por isso, outra estratégia que pode ajudar bastante é procurar se exercitar em grupo.

Você começa e ter contatos com outras pessoas, que, muitas vezes, têm a mesma dificuldade para engrenar nas atividades, e esse calor humano pode ser o que faltava para te tirar do quentinho de casa.

E aos poucos vão aparecendo, no corpo e nos pulmões, os benefícios de treinar com mais regularidade, que consequentemente gera mais motivação.

Tenha o cuidado de (re)começar a praticar atividade com calma, sem pressa para perder peso ou para aumentar as distâncias.

Muitos iniciantes começam empolgados demais com um organismo que ainda não está preparado para essa pressão toda.

Aí, a pessoa se machuca e acaba com toda aquela motivação inicial.

Se puder, pelo menos nesse começo, procure a ajuda de um treinador de sua confiança.

*GUSTAVO LUZ

É educador físico formado pela Estácio de Sá, treinador de corrida e triatlo desde 2006 e praticante há quase 20 anos. Diretor técnico da G-LUZ Top Team vive atento a tudo que se refere à fisiologia do exercício. Também fala com conhecimento empírico de quem está sempre frequentando as competições.

Visite o portal  e curta a página do Sindi-Clube no Facebook para saber mais de assuntos que interessam ao seu clube.

Descubra os cinco mitos sobre a dor muscular do dia seguinte

Foto: Shutterstock
Foto: Shutterstock

Turíbio Barros*

A dor muscular decorrente do exercício é um sintoma frequente para os praticantes das diversas modalidades.

Mesmo quem não pratica esporte ou exercícios formais, certamente, já vivenciou aquela dor que geralmente aparece ou se intensifica principalmente no dia seguinte de uma exigência física de maior intensidade.

E isso mesmo se for de natureza laboral.

Essa dor que, atualmente, tem várias denominações, como dor do dia seguinte, dor de início tardio, ou, como tem sido chamada nos Estados Unidos “Fitness Pain”, sempre foi fruto de muitas controvérsias e também de vários estudos científicos.

Podemos discutir essas controvérsias, caracterizando cinco mitos sobre sua natureza e sua incidência em diferentes tipos de indivíduos:

1 – A dor é causada por acúmulo de ácido láctico

Este é um mito já bastante discutido e felizmente já bem esclarecido.

Com certeza, a dor tardia do exercício não tem nenhuma relação com o acúmulo de ácido láctico nos músculos.

A dor do ácido láctico ocorre durante e imediatamente após o exercício e tem uma natureza bem diferente.

Este acúmulo de ácido láctico é metabolizado em um curto espaço de tempo, após o término do exercício, não causando nenhum efeito tardio.

2 – Se não houver dor no dia seguinte o treino não teve efeito

Com certeza, não procede.

A dor tardia ocorre, principalmente, quando se altera alguma rotina, como intensidade do exercício, natureza do movimento e grupos musculares solicitados.

A maioria dos benefícios do treinamento não está associada com o processo inflamatório que provoca a dor muscular tardia.

3 – Quanto mais treinado você estiver menos dor tardia vai sentir

É certo que sentimos menos dor tardia quando nosso corpo se adapta progressivamente às solicitações dos treinos.

Entretanto, toda vez que alterarmos novamente carga de treino e grupos musculares solicitados, a dor pode voltar a aparecer mesmo em indivíduos já treinados.

4 – A dor muscular é um quadro que devia ser evitado

Na verdade, a dor tardia é um processo regenerativo dos músculos e tem natureza essencialmente fisiológica, não causando nenhum dano ao organismo.

O que se deve evitar é um quadro de magnitude exagerada pela incapacidade funcional que ele possa provocar.

Ninguém vai concordar em amanhecer “totalmente travado” no dia seguinte de um exagero cometido, mas, de qualquer forma, o processo regenerativo vai restabelecer a integridade funcional sem deixar nenhuma sequela.

5 – O alongamento pré e pós diminui a dor muscular

Esta é uma premissa sem nenhuma comprovação científica.

O alongamento é uma solicitação que deve fazer parte de um programa de condicionamento físico, por melhorar uma qualidade física importante que é a flexibilidade.

Porém, alongar antes e ou depois dos exercícios não abole nem atenua a eventual dor tardia.

*TURÍBIO BARROS

Mestre e doutor em fisiologia do exercício pela Escola Paulista de Medicina. Membro do conselho científico da Midway Labs, professor e coordenador do Curso de Especialização em Medicina Esportiva da Unifesp e fisiologista do São Paulo Futebol Clube e coordenador do Departamento de Fisiologia do Esporte Clube Pinheiros. Membro do American College of Sports Medicine. www.drturibio.com.

Visite o portal  e curta a página do Sindi-Clube no Facebook para saber mais de assuntos que interessam ao seu clube.

Uso de anti-inflamatórios para aliviar dores antes de treinos ou provas gera riscos

Foto:Shutterstock
Foto: Shutterstock

Nabil Ghorayeb*

O assunto é polêmico entre os esportistas que defendem e os que são totalmente contra o uso de anti-inflamatórios nas várias provas esportivas mundo afora.

O tema voltou a ser debatido porque aumentou o número de atletas se automedicando, sem ter um cuidado maior.

Recente pesquisa mostrou que os anti-inflamatórios não hormonais (que não são derivados de cortisona) também são vendidos ilegalmente (sem receita médica).

Encontramos no comércio de anti-inflamatórios duas formulações mais comuns.

Os derivados dos hormônios esteroides, como a cortisona.

Os modernos não esteroides, usados como coadjuvantes nos tratamento de lesões inflamatórias ortopédicas, ginecológicas e outras, mas com prescrição médica bem definida.

Para entender o que alertamos, vamos começar pela dor que é um verdadeiro alerta espetacular da natureza, pois a sua presença nos avisa de que algo errado ou ruim está acontecendo.

Imagine que ao abolir a dor poderemos ficar sem saber, por exemplo, que temos uma distensão muscular, tendinite, artrite e outras doenças que irão piorar com a continuidade de um exercício.

Sem dúvida teremos um risco enorme das lesões se transformarem em irreversíveis.

O que está ocorrendo?

Mesmo sabendo que é uma medicação com vários efeitos colaterais sérios e que apenas um médico pode prescrevê-los, virou moda tomar anti-inflamatório no início de uma prova esportiva para não sentir dores.

Hoje em dia tem sido usada a capsula gelatinosa com anti-inflamatório potente, algo totalmente desnecessário.

Os efeitos no coração e aparelho cardiovascular são conhecidos: facilita o surgimento de arritmias, permite elevação da pressão arterial e, em alguns casos, até isquemia cardíaca (angina ou infarto).

O uso indiscriminado de anti-inflamatórios causa danos no fígado e nos rins a médio e longo prazo, podendo provocar cirrose hepática e a temida insuficiência renal representada pela uremia.

Alertamos de modo insistente: nunca se automedique, principalmente para dores ou outros sintomas.

O correto é parar a atividade física e procurar sempre um médico do esporte para suas dúvidas clínicas e de medicação, e um nutricionista nas dúvidas alimentares e de suplementação.

Amigos e “terapeutas sem diploma” não têm conhecimento científico e sabem de ouvir falar.

Cada caso é um caso, imagine. Cansou, doeu? Então pare!

Sua saúde é mais importante que uma medalha.

*NABIL GHORAYEB
Formado em medicina pela Faculdade de Medicina de Sorocaba PUC-SP, doutor em cardiologia pela FMU-SP , chefe da seção CardioEsporte do Instituto Dante Pazzanese Cardiologia, especialista por concurso em cardiologia e medicina do esporte, médico sênior do Grupo Fleury Medicina e Saúde, coordenador da clínica CardioEsporte do HCor, CRM SP 15715 , Prêmio Jabuti de Literatura Ciência e Saúde. www.cardioesporte.com.br 

Visite o portal  e curta a página do Sindi-Clube no Facebook para saber mais de assuntos que interessam ao seu clube.

Alongar antes de correr prejudica o atleta de longa distância, diz estudo

Foto: Shutterstock
Foto: Shutterstock

Turíbio Barros*

A polêmica e as controvérsias sobre os efeitos do alongamento continuam a marcar presença em várias publicações, tanto as de caráter científico como as publicações que refletem opiniões pessoais, fruto de experiências práticas.

Na realidade, atualmente, absolutamente não existe consenso a respeito dos benefícios do alongamento, tanto para melhora de performance como para prevenção de lesões.

Quando consultamos a literatura científica sobre o assunto, encontramos muita dificuldade para obter orientações sobre o tema que possam contribuir para esclarecer as principais dúvidas sobre o procedimento, inclusive sobre a principal delas: devemos alongar ou não, antes de correr?

Uma interessante revisão sobre o motivo foi recentemente publicada por um grupo de pesquisadores da Inglaterra, especificamente voltada para a análise dos efeitos do alongamento para os corredores de longa distância.

Impact of stretching on the performance and injury risk of long-distance runners, cuja tradução é: Impacto do alongamento sobre a performance e o risco de lesões de corredores de longa distância.

Os autores fizeram uma extensa revisão do assunto, analisando dezenas de artigos científicos publicados nos últimos anos.

As conclusões, apesar de não poderem ser consideradas as palavras finais sobre o tema, são bastante interessantes:

– Os corredores precisam ter certa limitação de flexibilidade para não prejudicar a economia de corrida, portanto o excesso de alongamento prejudica o desempenho.

– Alguns autores identificaram a presença de um gene associado com inflexibilidade em corredores de elite.

– Mais uma vez é enfatizada a ausência de comprovação científica dos afeitos do alongamento para prevenir lesões.

– O alongamento realizado imediatamente antes de correr parece realmente prejudicar o desempenho do corredor de longa distância.

Os autores sugerem que se faça um aquecimento antes de correr, e não um alongamento dos músculos dos membros inferiores.

Essas conclusões certamente são polêmicas, principalmente porque o alongar antes de correr se tornou um hábito incorporado à rotina de quase todo praticante de corrida.

Entretanto, quando encontramos um artigo como esse, que é uma revisão de literatura, devemos entender que as conclusões não expressam a opinião pessoal dos autores, e sim o que os artigos científicos, fruto de estudos controlados apresentam como evidências.

Referência: Research In Sports Medicine vol 25, 2017 issue 1

*TURÍBIO BARROS
Mestre e doutor em fisiologia do exercício pela Escola Paulista de Medicina. Membro do conselho científico da Midway Labs, professor e coordenador do Curso de Especialização em Medicina Esportiva da Unifesp e fisiologista do São Paulo Futebol Clube e coordenador do Departamento de Fisiologia do Esporte Clube Pinheiros. Membro do American College of Sports Medicine. www.drturibio.com.

Visite o portal  e curta a página do Sindi-Clube no Facebook para saber mais de assuntos que interessam ao seu clube.

Ciência do exercício mostra que atividade física é o “remédio” para evitar doenças

Foto: Shutterstock
Foto: Shutterstock

Turíbio Barros*

Incluir exercícios físicos como parte dos hábitos de vida saudável pode ser considerado um fato relativamente recente.

Devemos considerar que essa necessidade passou a existir na medida que a evolução dos recursos tecnológicos, diretamente relacionados à vida moderna, causou um impacto reduzindo sensivelmente o nível de atividade habitual dos moradores dos grandes centros urbanos.

O exercício físico passou a ser visto como um “remédio” necessário para evitar as doenças crônico-degenerativas associadas com o sedentarismo.

Com essa necessidade, praticamente nasceu a “Ciência do exercício”.

O conhecimento científico sobre os benefícios do exercício passou a ser disseminado, e obrigou a praticamente todos os profissionais que trabalham nas áreas da saúde se atualizarem sobre esta área de conhecimento.

Agora, cada vez mais, esse tipo de informação passa também a ser consumido pela população e, nos meios de comunicação proliferam-se matérias sobre os novos conhecimentos que a ciência produz.

Um indicativo recente desse fato é uma edição especial da famosa revista americana “Time” que circula nos Estados Unidos, com um volume totalmente dedicado às informações científicas recentes sobre exercícios físicos.

A edição especial tem exatamente o título de “A Ciência do Exercício” e publica artigos escritos por autoridades americanas da área, com uma linguagem que sensibiliza até os indivíduos mais resistentes a adotar o exercício como hábito.

É interessante destacar o nome de alguns dos artigos desta edição, que ilustra o quanto esta área de conhecimento evoluiu.

A Incrível Medicina do Movimento, A Nova Ciência do Exercício, A Verdade a Respeito da Perda de Peso, Como Combater a Dor Muscular, Sete Maneiras de Motivar a Fazer Exercício, Como Fazer Exercício Quando Não Se Tem Tempo, A Verdade Sobre Correr, etc.

Essa publicação é mais uma evidência de que a prática de exercícios é um hábito que deverá ser definitivamente incorporado à vida de qualquer pessoa, que acena com a perspectiva de que poderemos viver mais e melhor.

*TURÍBIO BARROS
Mestre e doutor em fisiologia do exercício pela Escola Paulista de Medicina. Membro do conselho científico da Midway Labs, professor e coordenador do Curso de Especialização em Medicina Esportiva da Unifesp e fisiologista do São Paulo Futebol Clube e coordenador do Departamento de Fisiologia do Esporte Clube Pinheiros. Membro do American College of Sports Medicine. www.drturibio.com

Visite o portal  e curta a página do Sindi-Clube no Facebook para saber mais de assuntos que interessam ao seu clube.

Palpitações quando acontecem com atletas são prejudiciais? Médico responde

Foto: Shutterstock
Foto: Shutterstock

O que chamamos de extrassístoles (palpitações) são falhas que se percebe na pulsação ou nos batimentos cardíacos, podendo ser esporádicas (isoladas) ou durarem horas.

Podem estar presentes em qualquer idade e sua importância médica depende da existência ou não de alguma doença cardíaca concomitante.

A maioria dos que têm esse tipo de arritmia nem as percebe, muitas vezes detectadas por acaso numa consulta ou num exame do coração.

Então, podemos afirmar que elas ocorrem tanto em pessoas sadias como em pessoas doentes.

Porém, quando aparecem nos atletas, são prejudiciais?

No acompanhamento de atletas que fazemos há muitos anos, e nas pesquisas científicas da área de cardiologia do esporte aqui e mundo afora, concluiu-se que quanto mais intensa uma atividade esportiva, maior é a possibilidade de aparecerem essas extrassístoles, que são de dois tipos: supraventricular, quando sua origem é na parte superior do coração, na parede dos átrios, e ventricular quando a origem é na parede dos ventrículos.

Nos atletas sadios, já está provado que a causa é o exagero na intensidade ou volume da prática esportiva sem acompanhamento médico e de outros profissionais da saúde como, educador físico (treinador/fisiologista) e nutricionista, que controlam os limites saudáveis.

Além de lógica e obrigatoriamente se excluir presença de problemas cardíacos devido a:

1 – Variadas doenças arritmogênicas consequentes a mutações genéticas.

2 – Miocardite (inflamação do miocárdio) por viroses, doença de Chagas.

3 – Miocardite por intoxicação de drogas ilícitas (cocaína, maconha e outras), anabolizantes (mesmo em curtos ciclos), estimulantes, fat burns e termogênicos comercializados ilegalmente sem licença da ANVISA.

4 – Miocardiopatia (disfunções do músculo cardíaco) por isquemia (obstruções das coronárias por gordura) e outras causas.

O tratamento nos atletas e esportistas sadios começa pelo o afastamento, em geral, temporário.

Muitas vezes, mesmo com baixo risco de complicações, o fato de se sentir as extrassístoles, muitas pessoas ficam inseguras, nesses casos instituímos medicação leve.

Nos cardiopatas, seguimos os tratamentos clássicos existentes e até uma intervenção cardíaca chamada de ablação ou implante de um desfibrilador interno.

*NABIL GHORAYEB
Formado em medicina pela Faculdade de Medicina de Sorocaba PUC-SP, doutor em cardiologia pela FMU-SP , chefe da seção CardioEsporte do Instituto Dante Pazzanese Cardiologia, especialista por concurso em cardiologia e medicina do esporte, médico sênior do Grupo Fleury Medicina e Saúde, coordenador da clínica CardioEsporte do HCor, CRM SP 15715 , Prêmio Jabuti de Literatura Ciência e Saúde. www.cardioesporte.com.br 

Visite o portal  e curta a página do SINDI-CLUBE no Facebook para saber mais de assuntos que interessam ao seu clube.

Aliada, musculação não é obrigação, nem única saída para fortalecer o corredor

shutterstock_500820886
Foto: Shutterstock

Gustavo Luz*

A musculação não deve ser encarada como uma atividade acima do bem e do mal para os corredores.

Ela tem a sua importância e, dependendo do objetivo, pode ser grande aliada para você encarar seus desafios.

Mas você pode não gostar de malhar e preferir fazer outra atividade complementar, ou não ter tempo para nada disso, é correr e olhe lá.

Fique tranquilo.

Não malhar não significa que você vá se machucar.

Se você consegue fazer musculação de forma regular, talvez a sua corrida seja feita sob uma base mais firme e sólida (que é o seu corpo).

Seus músculos tendem a ficarem mais resistentes e, com isso, se o seu negócio é desempenho e velocidade, talvez passe a ter a capacidade de tolerar um treinamento mais intenso.

Mas se a sua “vibe” é uma corrida mais recreativa, a musculação pode ser um fator de segurança que gera confiança para encarar as primeiras passadas.

Se não curte malhar e prefere fazer apenas outra atividade complementar à corrida, não tem problema, vá em frente.

Atualmente o corredor tem várias opções, como por exemplo, o pilates, que veio para ficar e desenvolve um belo trabalho de alongamento e força; os sistemas de treinamento funcional, que estão avançando e se solidificando (com vários exercícios voltados para os corredores); os treinos na areia, com movimentos de saltos, zigue-zagues, agachamentos e piques; ou mesmo um ou outro exercício simples de agachamento com ou sem uso de elásticos em casa mesmo.

Mas você não consegue nada além do tempo para treinar corrida?

Existem coisas na sua vida que podem não mudar, e pode ser que você tenha que correr pelo resto da vida sem malhar.

E não precisa se preocupar? Não!

A maior causa dos machucados nos corredores é o excesso de treinos, não a falta de musculação ou algo complementar.

Existe uma quantidade de treino que seu corpo pode absorver.

E treinar acima desses limites produz progressivamente menos performance.

Fique atento ao equilíbrio entre as práticas esportivas e as coisas que você faz durante o dia.

Tenha a sensibilidade de identificar a quantidade de musculação que faz bem para você.

É importante ter tempo para descansar desses treinos e cuidados para se alimentar de forma mais criteriosa.

Treinar musculação demais pode atrapalhar o período de descanso da corrida e, com isso, uma atividade que teria vindo para somar no ganho de condicionamento pode atrapalhar o seu desempenho nas pistas.

*GUSTAVO LUZ

É educador físico formado pela Estácio de Sá, treinador de corrida e triatlo desde 2006 e praticante há quase 20 anos. Diretor técnico da G-LUZ Top Team vive atento a tudo que se refere à fisiologia do exercício. Também fala com conhecimento empírico de quem está sempre frequentando as competições.

Visite o portal  e curta a página do Sindi-Clube no Facebook para saber mais de assuntos que interessam ao seu clube.