Pepac inicia torneio com jogos do futsal, neste fim de semana

FUTSAL47

Serão realizados neste fim de semana 15 jogos do futsal, que abrirá a movimentação da modalidade no Pepac (Programa Esportivo para Associados de Clubes) 2014. Estão programados mais de 520 jogos até outubro, quando se encerra a primeira fase da competição.

Em 2014, o futsal já conta 20 clubes, sendo três deles novos no torneio. Além do futsal, outras modalidades serão disputadas: vôlei e handebol.

No ano passado, foram realizados no futsal mais de 600 jogos, com participação de 18 clubes, divididos em 73 equipes, com a participação de 1.385 atletas.

O Pepac é uma competição mantida pelo Sindi-Clube, especialmente dedicada a associados não federados de clubes.

Visite o portal do Sindi-Clube e saiba mais de assuntos que interessam ao seu clube.

Conheça a modalidade paraolímpica de esgrima de cadeira de rodas

Londres 2012 Foto CPB Luciana Vermell

Apesar de pouco difundida na América do Sul, a modalidade de esgrima em cadeira de rodas deu ao Brasil uma medalha de ouro nos Jogos Paraolímpicos Londres 2012.

A equipe brasileira conseguiu a façanha com o gaúcho Jovane Guissone, que se tornou o primeiro brasileiro a disputar a competição, com muito sucesso.

Introduzida nos jogos Paralímpicos em 1960, em Roma, a esgri
ma em cadeira de rodas é disputada apenas por pessoas com deficiência locomotora, as mais comuns são as amputações, paraplegias, má-formação congênita e acidentes vasculares.

As classes são divididas de acordo com o equilíbrio de cada atleta na cadeira e a condição do braço que empunhará a arma.

A diferença em relação à esgrima olímpica é que os atletas têm suas cadeiras presas ao solo.

As pistas de competição têm 4 metros de comprimento por 1,5 metro de largura.

Os esgrimistas são conectados por meio de sensores especiais a um sistema eletrônico de contagem, que indica se um toque é válido e, a partir disso, o árbitro define se é um ponto ou não.

Visite o portal do Sindi-Clube e saiba mais de assuntos que interessam ao seu clube.

Dicas para a prática de exercícios em baixa umidade e temperaturas elevadas

shutterstock_152657654Diego Leite de Barros*

Nas próximas semanas, deverá permanecer a condição climática de baixa umidade e altas temperaturas. 

Como manter os treinos em dia e não prejudicar a saúde?

Após os primeiros minutos de exercício, já percebemos que o corpo está sofrendo mais que o habitual: boca seca, muita sede, respiração acelerada, suor excessivo e outros sinais e sintomas que indicam uma luta do organismo para nos manter em equilíbrio e, na medida do possível, certo conforto.

A falta de chuva somada às temperaturas extremamente altas, mesmo para o verão, deixa o tempo seco e levam o corpo a trabalhar mais para manter o bom funcionamento dos processos metabólicos, principalmente durante a atividade física.

Dicas  importantes:

shutterstock_94310014Hidrate-se de maneira correta!

Não espere a sede chegar para tomar água ou isotônico, nessa condição já estamos com algum grau de desidratação.

Não enxugue seu suor!

O processo de controle de temperatura depende da evaporação das partículas de suor e, se as enxugarmos, a redução da temperatura corporal fica prejudicada.

Evite os horários de calor excessivo ente 10h e 16h, principalmente para treinos mais longos ou de exigência acima do que está acostumado.

Use sempre protetor solar!

*Diego Leite de Barros: Educador físico, especialista em Fisiologia do Exercício e diretor técnico da DLB Assessoria Esportiva www.dlbassessoriaesportiva.com.br – Tel.: (11) 2924-2562, 97093-9983.

Visite o portal do Sindi-Clube e saiba mais de assuntos que interessam ao seu clube.

Futebol de cinco pretende garantir quarta medalha de ouro para o Brasil

Futebol de 5 Foto IPC Evgeniya Bocharnikova

O futebol de cinco é exclusivo para cegos ou deficientes visuais

Cada time é formado por um goleiro e quatro jogadores na linha. O guarda-metas tem visão total e não pode ter participado de competições oficiais da Fifa nos últimos cinco anos.

Os atletas usam uma venda nos olhos e, se tocá-la, é falta. Junto às linhas laterais, são colocadas bandas que impedem que a bola saia do campo.

A bola tem guizos internos para que os jogadores consigam localizá-la. Há ainda um guia, o chamador, que fica atrás do gol, para orientar os comandados, dizendo onde devem se posicionar em campo e para onde devem chutar.

Diferente dos estádios, as partidas de futebol de cinco são silenciosas, em locais sem eco. A torcida só pode se manifestar na hora do gol.

No Brasil, a modalidade é administrada pela Confederação Brasileira de Deportos de Deficientes Visuais (CBDV).

A seleção masculina brasileira estreou nos Jogos Paraolímpicos em Atenas, 2004, e conquistou a medalha de ouro, numa vitória sobre a Argentina por 3 a 2, nos pênaltis.

O bom desempenho se manteve nos Jogos de Pequim, 2008, e em Londres, 2012, com a conquista de mais duas medalhas de ouro.

Futebol de 5 Foto IPC Evgeniya Bocharnikova 2A conquista da quarta medalha dourada será ainda mais difícil, segundo o para-atleta Severino Gabriel da Silva “Todo mundo está evoluindo e treinando para acabar com a nossa supremacia. Em 2016, o apoio da torcida fará uma grande vantagem, mas a cobrança será bem maior. Estamos trabalhando sério, mas conquistar o tetra vai ser uma tarefa muito complicada”, disse Silva.

Visite o portal do Sindi-Clube e saiba mais de assuntos que interessam ao seu clube.

Conheça as modalidades paraolímpicas: Judô

Creditos Victor Motta Comite Paraolimpico Brasileiro

Destinado exclusivamente para pessoas com deficiência visual, o judô estreou em Paraolimpíadas em 1988, em Seul.

A entrada de mulheres no tatame só aconteceu em Atenas, em 2004.

Os atletas são divididos por classes identificadas pela letra B (do inglês blind, cego em português): B1 para os cegos, B2 para os lutadores que têm a percepção de vultos e luminosidade, e B3, em que os participantes possuem a capacidade de definir imagens.

Existe ainda a separação por categorias de peso, que segue o mesmo padrão olímpico.

O judô brasileiro mostra sua força também quando praticado por deficientes visuais. Desde 1988, o Brasil conquistou 14 medalhas em Paraolimpíadas (4 ouro, 4 prata e 6 bronze).

Antônio Tenório, atleta que conquistou cinco medalhas (quatro de ouro), sendo a última de bronze, em Londres, 2012, pretende despedir-se do judô paraolímpico nos Jogos de 2016:

“Vou continuar, mas quero parar no Rio de Janeiro. É um acordo que nós fizemos para eu me aposentar em 2016 e eu quero estar novamente no pódio. Estarei lá para representar 193 milhões de brasileiros”, afirmou o lutador.

Visite o portal do Sindi-Clube e saiba mais de assuntos que interessam ao seu clube.

Pepac 2014: grande expectativa dos atletas pelo início do torneio

Futsal 1b

O Pepac é o maior e mais bem organizado torneio interclubes do país, disputado durante todo o ano, a partir de março.

Os atletas que irão competir a 16ª edição deste ano, falam sobre suas expectativas e preparação com equipes de alto nível.

A atleta Angela Tunisi, do Clube Juventus, participará com mais de 60 colegas, que serão divididas por níveis técnicos em quatro times de voleibol. Ela destaca a forma como os jogos são disputados e a satisfação em participar do torneio.

voleib

“O Pepac atende às atletas de todos os níveis, o dinamismo dos jogos é muito bom, além da organização que é excelente. Nós, atletas, ficamos realizadas a cada partida, pois além das vitórias conquistadas temos a satisfação de mais um jogo. O sentimento de amizade prevalece no time com as atletas e o técnico”, disse Angela.

Já Gabriel Mota, atleta de futsal pelo Alphaville Tênis Clube, participa das competições desde a 12ª edição.

“O torneio é bem disputado e organizado. Fomos campeões ano passado e desejamos manter o título nesta próxima edição, para isto, realizamos treinos antes dos jogos e durante toda a competição”, disse Mota.

Em 2013, foram realizados mais de 2 mil jogos, com participação de 3.664 atletas divididos em 235 equipes, de 51 clubes de São Paulo, Grande São Paulo e Interior.

O Pepac é uma competição mantida pelo Sindi-Clube, especialmente dedicada a associados não federados de clubes.

Visite o portal do Sindi-Clube e saiba mais de assuntos que interessam ao seu clube.

Conheça as modalidades paraolímpicas: basquete em cadeira de rodas

basquete_em_cadeira_de_rodas_-_632x350

O basquetebol em cadeira de rodas é uma modalidade desenvolvida de forma adaptada para que pessoas com deficiência físico-motora, utilizando a cadeira de rodas como formas de locomoção em quadra, possam praticar o esporte.

Esta foi a primeira modalidade paraolímpica a ser praticada no Brasil, em 1958.

A cada dois toques na cadeira, o jogador deve quicar, passar ou arremessar a bola.

As dimensões da quadra e a altura da cesta são as mesmas do basquete olímpico convencional.

Com o intuito de deixar os times equilibrados, a classificação dos atletas é feita por um sistema de pontos, que vai de 1 a 4,5, respeitando-se o potencial funcional de cada um – quanto maior a pontuação, maior a habilidade funcional do atleta.

A soma de todos os jogadores em quadra não pode ultrapassar o total de 14 pontos.

Apesar da grande popularidade do esporte no país, o basquetebol em cadeiras de rodas ainda não conquistou medalhas em Jogos Paraolímpicos.

Visite o portal do Sindi-Clube e saiba mais de assuntos que interessam ao seu clube.

Natação paraolímpica pretende manter trajetória de grandes conquistas

Daniel Dias: seis ouros, em 2012
Daniel Dias: seis ouros, em 2012

Presente desde a primeira edição da Paraolimpíada, em Roma, 1960, a natação abrange homens e mulheres com diversos tipos de deficiência física, visual e intelectual.

A grande diferença deste esporte em relação a qualquer outra disciplina paraolímpica é o fato de recursos como órteses e próteses não serem permitidos, levando os atletas a utilizarem apenas seu próprio corpo na competição.

A equipe brasileira começou a se destacar em 2004, nos Jogos de Atenas, quando conquistou sete medalhas de ouro, três de prata e uma de bronze.

Em Pequim, em 2008, o Brasil superou o recorde de medalhas conquistadas em uma única edição dos Jogos Paraolímpicos. Ao todo, foram 19 medalhas, oito de ouro, sete de prata e quatro de bronze.

A seleção manteve o bom desempenho nas Paraolimpíadas de Londres, em 2012, garantindo nove medalhas de ouro. Daniel Dias, sozinho, conseguiu seis. André Brasil obteve as outras três.

Em 2016, a equipe brasileira de natação pretende manter a trajetória de grandes conquistas em Jogos Paraolímpicos.

Visite o portal do Sindi-Clube e saiba mais de assuntos que interessam ao seu clube.

COB lança Academia Brasileira de Treinadores para esporte de alto rendimento

Ismar Ingber/Acervo COB
Marcus Vinicius Freire: otimista com o projeto

O Comitê Olímpico Brasileiro (COB) lançou a Academia Brasileira de Treinadores (ABT). A ABT tem o objetivo de melhorar o sistema de preparação esportiva no país e suprir a carência na formação do treinador esportivo de alto rendimento.

O COB oferece um curso que vai ser desenvolvido em oito módulos presenciais, outros três à distância e mais um de estágio, voltados para áreas de esporte de formação e esporte de rendimento.

Depois de 23 meses de aulas, os técnicos receberão certificados de conclusão. As primeiras modalidades atendidas pelo curso serão atletismo, ginástica artística e natação.

Os interessados em ingressar no curso devem ser profissionais de Educação Física, devidamente registrado no respectivo Conselho Regional de Educação Física e, preferencialmente, registrados na Confederação Brasileira da respectiva modalidade.

As inscrições serão feitas conforme o edital do processo de seleção 2012, que é disponibilizado no site do COB.

O curso é inteiramente financiado pelo Comitê Olímpico Brasileiro, por meio de bolsas concedidas aos treinadores.

“A criação da Academia Brasileira de Treinadores é um sonho antigo que tenho, portanto, sinto-me realizado com esse lançamento. Esse é um caminho fundamental que temos que percorrer para buscar a superação de um ponto crítico do esporte brasileiro”, disse o presidente do COB, Carlos Arthur Nuzman.

O superintendente executivo de esportes do COB, Marcus Vinicius Freire, mostrou-se otimista com o projeto.  “Com a criação da Academia Brasileira de Treinadores nós estamos atacando um problema do esporte olímpico brasileiro vivenciado por quase todas as Confederações Brasileiras Olímpicas”, afirmou.