Unisindiclube oferece mais de 30 cursos de capacitação profissional

A Universidade Corporativa Sindi Clube (Unisindiclube) ampliou os conteúdos educacionais ofertados para capacitação dos colaboradores de clubes e profissionais que queiram atuar nessas agremiações.

A instituição mantida pelo Sindi Clube oferece mais de 30 cursos, a maioria de ensino a distância (EAD), todos disponíveis em sua plataforma.

O processo de aprendizagem foi modernizado, passando a incorporar tecnologia de ponta nos cursos EAD e expandindo e consolidando sua oferta de cursos presenciais.

Abrangendo desde nutrição esportiva e gestão de academias até manutenção de quadras de tênis, tratamento de piscinas e patrocínios em marketing esportivo, entre outras modalidades de capacitação, a grade de cursos da Unisindiclube é ampla e diversificada.

A partir de um acordo de cooperação entre o Sindi Clube e a Phorte Educacional, a Universidade Corporativa passou a contar com a plataforma de gestão integrada com ambiente virtual de aprendizagem (AVA).

“A plataforma EAD é a opção para expandir o alcance dos cursos da Unisindiclube para o interior e outros estados brasileiros, bem como facilitar o acesso dos profissionais da capital, que, muitas vezes, tem seu deslocamento inviabilizado pelo trânsito da cidade”, explica a coordenadora da universidade corporativa, Maria Regina Canever Domingues.

A Unisindiclube iniciou suas atividades em 2003, e de lá para cá já atendeu mais de 9 mil pessoas.

O presidente do Sindi Clube, Paulo Movizzo, ressalta que este ano ela começa uma nova fase. “Com a alta tecnologia da Phorte, a Unisindiclube renova seu propósito de oferecer atualização da força de trabalho dos clubes de todo o país, e se fortalece na missão de proporcionar qualificação profissional específica para o setor”, diz Movizzo.

Acesse a plataforma da Unisindiclube e confira todos os cursos, presenciais, in company e a distância, que estão com inscrições abertas.

Visite o nosso portal e curta o Sindi-Clube no Facebook Instagram para saber mais de assuntos que interessam ao seu clube.

Estudos apontam que malhar de manhã é melhor para hipertrofia

Turibio Barros*

Ganhar massa muscular ou desacelerar sua perda é extremamente importante para a manutenção da saúde e da qualidade de vida.

Mas haveria um melhor momento para realizar os exercícios para ganhar músculos?

Até o momento, vários estudos apontavam o anoitecer como o período mais favorável para o desenvolvimento muscular, ou seja, a hipertrofia.

Mas essa pode não ser uma realidade.

Um estudo publicado recentemente, realizado com mulheres acima de 60 anos apontou justamente o contrário.

Esses estudos prévios, que apontavam o anoitecer como melhor horário para se exercitar, foram realizados com indivíduos jovens e, além de se questionar a magnitude do impacto de se eleger um determinado período para a realização dos treinos sobre a hipertrofia, não se sabe se esses benefícios seriam aplicados para todas as faixas etárias.

No novo estudo, as voluntárias que treinaram pela manhã, por doze semanas de treinamento de força com dez a doze repetições, apresentaram maiores benefícios do que aquelas que treinaram à noite em todas as variáveis estudadas: força, desempenho de testes funcionais, massa muscular, glicose sanguínea e triglicérides.

As voluntárias do grupo controle, ou seja, as que não se exercitaram, obviamente não apresentaram nenhum benefício.

No entanto, cabe aqui uma importante discussão: o exercício precisa ser prazeroso para que possa ser incorporado numa rotina praticamente diária.

Portanto, precisamos lembrar que muitas vezes “o ótimo é inimigo do bom”.

Se você detesta acordar cedo, não adianta optar por treinos de manhã.

Faça exercícios no momento do dia em que você se sentir bem para realizá-los.

Assim, seu treino será mais prazeroso, renderá muito mais e certamente resultará em maiores benefícios.

*Turibio Barros: mestre e Doutor em Fisiologia do Exercício pela EPM. Membro do conselho científico da Midway Labs, professor e coordenador do Curso de Especialização em Medicina Esportiva da Unifesp e fisiologista do São Paulo FC e coordenador do Departamento de Fisiologia do E.C. Pinheiros. Membro do American College of Sports Medicine. www.drturibio.com.

Visite o nosso portal e curta o Sindi-Clube no Facebook Instagram para saber mais de assuntos que interessam ao seu clube.

Pré ou pós-treino? Entenda o melhor momento para ingerir suplementos proteicos

Cristiane Perroni*

Os suplementos proteicos como o Whey Protein, proteínas vegetais e proteína da carne, são normalmente prescritos para acelerar a recuperação muscular, reparar os tecidos, minimizar o catabolismo proteico, potencializar o ganho de massa muscular e para aumentar a quantidade de proteína da dieta.

Nas primeiras duas horas após o exercício, o fluxo sanguíneo está aumentado para os músculos, levando mais nutrientes e absorvendo mais proteína e glicose, mais sensíveis à ação da insulina que possui efeito anabólico promovendo a síntese de glicogênio.

Mas parece que a “janela anabólica” pode durar mais horas, algo em torno de quatro a seis horas ou mais, após a sessão de treinamento.

A quantidade de 20 a 30 gramas de proteínas ingeridas pré ou pós-treino parece ser suficiente para maximizar a síntese proteica após o exercício.

Nas demais refeições é preciso manter ingestão regular de proteínas ao longo do dia de 0,25 a 0,3g proteína por quilo de peso por refeição.

Há um limite de proteína que pode ser estocada. Todo excesso ingerido é transformado em gordura.

Existe o melhor momento de ingestão dos suplementos proteicos de acordo com a atividade esportiva?

Em atividades de endurance, a utilização é indicada pós-treino porque a digestão da proteína é mais lenta, tomar suplemento proteico antes de iniciar o treinamento pode causar desconforto gástrico, sensação de plenitude e atrapalhar o treino.

Em atividades de força ou treinamento contra resistência, a suplementação de proteínas pode ser realizada pré ou pós-treinamento.

Estudos têm demonstrado que mais importante do que o momento em que a proteína é ingerida (pré ou pós) é manter a ingestão proteica elevada ao longo do dia, distribuídas em várias refeições.

É preciso um intervalo de 1h30m a 2 horas entre as refeições para a síntese proteica.

Portanto, se o atleta treina na hora do almoço ou próximo ao jantar, é mais indicado a suplementação pré-treinamento para garantir a absorção da proteína do suplemento e a presente na refeição.

A prescrição de suplementos deve ser realizada de acordo com as necessidades individuais, estilo de vida, programa alimentar, tipo de treino e objetivos a serem alcançados.

Não existe “receita de bolo”.

*Cristiane Perroni: Nutricionista formada pela UFRJ e pós-graduada em obesidade e emagrecimento. Tem especialização em nutrição clínica pela UFF, especialização em nutrição esportiva pela Universidade Estácio de Sá e trabalha com consultoria e assessoria na área de nutrição. (http://www.crisperroni.com.br/).

Visite o nosso portal e curta o Sindi-Clube no Facebook Instagram para saber mais de assuntos que interessam ao seu clube.

Dor muscular x lesão: aprenda a diferenciar casos após treinamento

Raquel Castanharo*

Toda atividade física, principalmente em iniciantes ou quando se aumenta a quantidade de treinos, provoca uma dor muscular no dia seguinte, chamada de dor muscular de início tardio.

Ela é normal, faz parte do esporte e inclusive é benéfica para o corpo.

Mas, você sabe diferenciar essa dor natural de uma dor causada por lesão?

A dor muscular tardia acontece um ou dois após a realização de exercícios.

Antes se acreditava que o culpado por esse desconforto era o acúmulo de ácido lático, mas pesquisas recentes refutaram essa ideia.

A verdade é que os mecanismos microscópicos envolvidos nessa dor ainda não são totalmente conhecidos.

Sentir-se dolorido após um treino tem suas vantagens.

Isso significa que seu músculo passou por um estímulo e, ao final da recuperação, estará mais preparado para a atividade física.

Porém, vamos aos sinais de que essa dor não está normal e pode ser uma lesão:

  • A dor não diminui em até 72 horas;
  • O incomodo não é no ventre muscular e sim na articulação;
  • A dor parece uma pontada aguda no músculo e não uma sensação de rigidez, que é o esperado na dor muscular tardia;
  • Há hematoma, região vermelha e inchaço.

Entender o corpo e seus limites é essencial para manter uma prática de atividade física saudável.

Por isso, caso haja suspeita de que a dor não seja algo normal, é preciso manter a atenção, diminuir o ritmo, e se persistir procurar ajuda profissional.

*Raquel Castanharo: Fisioterapeuta formada e mestra em biomecânica da corrida na USP. Realizou pesquisa em biomecânica da coluna na Universidade de Waterloo, Canadá. Trabalha com fisioterapia e avaliação biomecânica em São Paulo e Jundiaí. www.raquelcastanharo.com.br

Visite o nosso portal e curta o Sindi-Clube no Facebook Instagram para saber mais de assuntos que interessam ao seu clube.

Anti-inflamatórios sem prescrição podem causar lesões nos rins e coração

Nabil Ghorayeb*

Não é a primeira vez que detectamos essa loucura de atletas e esportistas usarem anti-inflamatórios por conta própria.

Isto é, sem prescrição médica, como se fosse algo isento de riscos.

Vários participantes de corridas de rua, de triatlo e outras modalidades confirmaram que o chão nas largadas fica coalhado de plásticos desses medicamentos, em geral cápsulas de anti-inflamatório.

Sem dúvida um bom produto farmacêutico, mas com limitações médicas bem claras.

Os efeitos colaterais são vários e o mais frequente são lesões dos rins.

Danos progressivos que podem terminar em uremia de graus variados, com risco de necessitar tratamentos com diálise renal.

Não depende só da dose eventual e sim de uma lesão renal leve e desconhecida que vai piorar com o uso indiscriminado de anti-inflamatórios de variados tipos.

A lesão cardíaca poderá ocorrer diretamente por ação desse tipo de medicamento causando cicatrizes no miocárdio, chamadas de fibroses cardíacas.

Elas são um gatilho que pode desencadear um fenômeno conhecido como arritmias de todo o tipo, benignas e mesmo malignas.

Situação que nenhum um atleta pode querer.

Não podemos deixar de alertar, mais uma vez, porque um imenso número de corredores e atletas acha que será melhor para suas performances não sentir nenhuma dor no corpo, o que concordamos plenamente.

Porém, usar desses meios é cobrir a ferrugem de um metal com uma capa que o esconderá.

Se sente dor é porque tem algo errado ou lesionado.

E essa lesão só tende a piorar sem você se dar conta, já que o alarme, que é a dor, foi desligado.

A velha história de que sem dor não há ganho é um perigo para sua musculatura e ossos, não caia nessa.

Você já deve ter visto algum atleta ter rompimento do tendão de aquiles, quando na maioria dos casos ele está caminhando tranquilamente e sente como se fosse uma pedrada no tornozelo e de repente cai com o pé totalmente “solto” e sentindo uma forte dor.

O rompimento foi naquele momento, porém o início do esgarçamento do tendão vem há de dias antes, com leves dores que foram abolidas com medicação anti-inflamatória, mascarando uma lesão pequena que foi aumentando até romper aquele tendão.

Por isso, insistimos, não se automedique sem saber o que está acontecendo, ainda mais com analgésicos e anti-inflamatórios.

*Nabil Ghorayeb: Formado em medicina pela FM de Sorocaba PUC-SP, Doutor em Cardiologia pela FMUSP, chefe da seção CardioEsporte do Instituto Dante Pazzanese Cardiologia, especialista por concurso em Cardiologia e Medicina do Esporte, coordenador da Clínica CardioEsporte do HCor, CRM SP 15715, Prêmio Jabuti de Literatura Ciência e Saúde.(http://www.cardioesporte.com.br/clinica/clinica.asp)

Visite o nosso portal e curta o Sindi-Clube no Facebook Instagram para saber mais de assuntos que interessam ao seu clube.

Inscrições para o Prêmio Nacional de Literatura dos Clubes vão até sábado (30)

O prazo para as inscrições para o Prêmio Nacional de Literatura dos Clubes está quase terminando.

Os associados de clubes precisam correr!

As inscrições (que se iniciaram em março) encerram-se neste sábado, dia 30 de junho.

Realizado pelo Sindi Clube em parceria com a Confederação Nacional dos Clubes (Fenaclubes) e a Academia Paulista de Letras (APL), o concurso está em sua 3ª edição nacional.

O concurso surgiu em 2011, como nome de Prêmio Sindi Clube/APL de Literatura, com participação apenas de clubes paulistas.

Textos com temas livres podem concorrer em três categorias: poesia, conto e crônica.

Os melhores de cada categoria recebem prêmios de R$ 1.500,00, R$ 1.000,00, e R$ 500,00, respectivamente, para primeiro, segundo e terceiro colocados.

Todos os associados de clubes filiados ao Sindi Clube e à Fenaclubes, a partir de 18 anos, podem concorrer com uma obra inédita e em apenas uma categoria.

Para mais informações sobre o Prêmio Nacional de Literatura dos Clubes, inscrições, e premiação, acesse o regulamento completo no portal do Sindi Clube.

Visite o nosso portal e curta o Sindi-Clube no Facebook Instagram para saber mais de assuntos que interessam ao seu clube.

Confira a programação dos “Clubes de Leitura” que não estarão de férias em julho

O mês de julho é época de férias, mas alguns “Clubes de Leitura” vão continuar normalmente com as suas programações. Confira a seguir os encontros programados:

O Anhembi Tênis Clube inicia os “Clubes de Leitura” do mês com o livro “Outros Contos”, de Maria Valéria Rezende no dia 2, às 20h.

Dia 5, às 19h30, o Primeiro de Maio Futebol Clube traz O Evangelho segundo Jesus Cristo”, de José Saramago.

Já no dia 12, às 15h, o Alto dos Pinheiros discute “Canção de ninar”, de Leïla Slimani.

O Clube Jundiaiense conversa sobre a obra “Cândido ou o Otimismo”, de Voltaire, no dia 18, às 20h.

Dois encontros acontecem no Esporte Clube Pinheiros no dia 21, um às 10h e outro às 13h30, para discussão do livro “Indignação” de Philip Roth. Às 15h30, na mesma sala, será projetado o filme “Indignation”, dirigido por James Schamus.

A Academia Paulista de Letras vai falar sobre “Sagarana”, de João Guimarães Rosa, no dia 26, às 19h.

“O Gigante Enterrado”, de Kazuo Ishiguro, será tema do encontro no Club Athletico Paulistano no dia 26, às 19h30.

No dia 27, às 18h30, a Associação Atlética Banco do Brasil (AABB/SP) leva aos associados o livro “O arroz de palma”, de Francisco de Azevedo.

Para fechar o mês, o Clube Esperia terá a obra “Cadeira de balanço”, de Carlos Drummond de Andrade, dia 28, às 15h.

Nutrição x cãibras: saiba como evitar as dores com alimentação apropriada

Cristiane Perroni*

As cãibras musculares associadas ao exercício podem ter várias causas.

Os tipos mais comuns são fadiga muscular, com alterações no controle neuromuscular, condições ambientais extremas como frio comum em nadadores e esquiadores, por exemplo, calor e alta umidade.

Mas, elas também podem ocorrer em casos de desidratação, perda de eletrólitos e até problemas médicos, como alterações circulatórias.

São muito comuns em atletas de endurance como maratonistas, triatletas e ciclistas.

Mas, a boa notícia é que a nutrição pode contribuir para prevenir esses episódios.

Cãibras decorrentes do calor

Esses são os tipos de cãibras associados à desidratação e perda eletrolítica.

E vários deles, como sódio, potássio, cloro e magnésio, estão envolvidos na contração muscular.

Entretanto, estudos são contraditórios quanto a desidratação e a ocorrência de cãibras.

Uma desidratação leve, de até 3% de perda de peso através da transpiração, parece não ter influência na ocorrência de cãibras.

As concentrações de cálcio, potássio e magnésio presentes no suor são baixas, ou seja, sendo menos propensos a causarem cãibras.

Com isso, derruba o mito de ingerir alimentos fontes de potássio como a banana para prevenir cãibra.

A suplementação é indicada somente em casos de deficiência, o que é raro em atletas, ou por uso de medicamentos que reduzam esses minerais.

Orientações para prevenção

  • Manter a hidratação diária com ingestão de 35 a 40 ml de água por quilo, por dia.
  • Ingerir de 400 a 800 ml de água por hora durante treinos e provas.
  • Utilizar uma cápsula de eletrólitos (cloro, sódio, potássio, magnésio) por hora ou bebida que contenha esses eletrólitos em provas de maior duração.
  • Evitar a ingestão de bebida alcóolica antes do exercício por favorecer a hiponatremia (redução de sódio no sangue) e, após o exercício, por favorecer a desidratação e retardar a recuperação muscular.

Cãibras decorrentes da fadiga muscular

As cãibras seriam provocadas por um controle neuromuscular anormal causado pela fadiga muscular.

Quando ocorre depleção de glicogênio e fadiga há redução do desempenho esportivo, da resposta imunológica e perda de massa muscular.

Nesse caso, é preciso atenção à alimentação diária e seguir um programa alimentar com fornecimento adequado de energia, macro e micronutrientes.

A alimentação antes, durante e após exercício pode contribuir para prevenir, retardar ou tratar a fadiga muscular, e assim, diminuir o risco de cãibras.

  • Antes do exercício: de uma a duas horas antes do treino ou competição: ingestão de 1 a 2g de carboidratos por quilo de peso. Pequena ingestão de proteína ou gordura. O uso de carboidratos pré-treino é indicado para manter a glicose plasmática e os estoques de glicogênio muscular e hepático.
  • Durante o exercício: 30 a 60g de carboidratos por hora. Permite prolongar a permanência no exercício, fornece energia para o músculo e mantém a glicemia constante. Escolher melhor tolerados e fáceis para transportar. Exemplos: gel, gomas, rapadura, bananada, fruta, bebida esportiva.
  • Após o exercício: o maior momento de reposição de glicogênio muscular ocorre durante as primeiras duas horas após o exercício, acelerando a recuperação muscular.

*Cristiane Perroni: Nutricionista formada pela UFRJ e pós-graduada em obesidade e emagrecimento. Tem especialização em nutrição clínica pela UFF, especialização em nutrição esportiva pela Universidade Estácio de Sá e trabalha com consultoria e assessoria na área de nutrição.

Visite o nosso portal e curta o Sindi-Clube no Facebook Instagram para saber mais de assuntos que interessam ao seu clube.

Confira a programação de festas juninas nos clubes

O mês de junho chega e traz com ele as festas típicas.

Nos clubes, a programação não poderia ser diferente e está recheada de festas juninas para as crianças e adultos, sejam eles sócios ou convidados.

Confira, a seguir, a programação de alguns dos clubes associados ao Sindi Clube:

Esporte Clube Banespa

A festança no EC Banespa começou no dia 16, mas tem mais neste fim de semana.

Dia 23 (das 15h às 23h) e dia 24 (das 15h Às 22h), além de muitas comidas típicas e churrasco, a festa terá DJ, quadrilha e duplas sertanejas para animar o público.

A entrada é gratuita para associados. Não associados pagam R$ 20 reais por dia.

Esporte Clube Pinheiros

O Arraiá do Pinheiros começa hoje e tem festa até domingo!

Um dos diferenciais dessa festa é a sustentabilidade.

Este ano a comemoração passa a contar com o conceito do Programa de Comportamento Sustentável.

Mas assim como em outros anos, a programação conta com shows de artistas famosos.

Confira, a seguir, o horário, preço e atrações de cada um dos 4 dias:

Quinta: Das 19h à 1h, com apresentação da cantora Lucyana Villar. Convidados pagam R$ 85.

Sexta: Das 19h às 2h, com apresentação do cantor Leonardo. Convidados pagam R$ 130.

Sábado: Das 11h30 às 2h, com apresentação da dupla Thaeme e Thiago. Convidados pagam R$ 130.

Domingo: 11h30 às 20h30, com apresentação de Moraes Moreira, ex-integrante do grupo Novos Baianos. Convidados pagam R$ 95.

Os associados do clube têm entrada gratuita em qualquer dia do evento.

Club Athletico Paulistano

Também tem festança na fazenda do Paulistano.

Dia  22 (das 20h30 à 1h) e 23 (das 20h30 às 3h) acontecem os eventos voltados para os adultos, com atrações que incluem DJs e duplas sertanejas.

Os convites são gratuitos para os sócios e R$100 para convidados.

No dia 23 também é possível reservar uma mesa (lugar) no valor de R$60 para sócios e R$ 160 para os convidados.

Já no dia 24 (das 14h às 19h), é a vez das crianças, que também terão DJ e banda para animar.

O convite é gratuito para sócios e R$ 70 para convidados.

Tênis Clube Paulista

O Tênis Clube Paulista promete um evento repleto de comidas e bebidas típicas, brinquedos, brincadeiras, danças, quadrilhas e muito mais.

No dia 23, das 15h às 21h, convidados pagam R$ 25 para entrar.

E dia 24, das 13h às 18h, convidados pagam R$ 20 na entrada.

Em ambos os dias, os convidados que adquirirem o convite podem entrar com uma criança de até 12 anos (adulto + criança). Sócios não pagam.

São Paulo Futebol Clube

A festa junina tricolor contará com quadrilhas, atrações musicais, brinquedos infláveis e até queima de fogos.

No dia 29, o evento será das 18h à meia noite.

Convidados pagam R$ 40.

Já nos dias 30 de junho e 1º de julho, irá das 12h à meia noite.

Convidados pagam R$ 50.

Em todos os dias de evento os sócios, crianças de até 5 anos e idosos acima de 65 anos não pagam.

Ipê Clube

A festa mais tradicional do Ipê Clube, que conta com atrações gastronômicas, comidas típicas, quadrilhas e apresentações musicais, será promovida na praça central.

No sábado, dia 23 de junho, das 15h às 2h.

Associados não pagam.

Não associados pagam R$ 25 (antecipado) ou R$ 30 (na bilheteria); crianças até 12 anos não pagam e pessoas acima de 60 anos têm 50% de desconto.

ADC Mercedes-Benz

A Associação Desportiva Classista Mercedes-Benz vai promover a sua festa julina nos dias 7 e 14 de julho, das 18 às 23h. Com muitas atrações, shows sertanejos, comidas e bebidas típicas.

Visite o nosso portal e curta o Sindi-Clube no Facebook Instagram para saber mais de assuntos que interessam ao seu clube.

Clube de Leitura da APL completa cinco anos

O Clube de Leitura da Academia Paulista de Letras (APL) completa cinco anos em 28 de junho.

Para comemorar, promove, às 19h, o debate do livro “Catálogo de perdas”, de João Anzanello Carrascoza, com a presença do autor e mediação de Vivian Schlesinger.

Nesses cinco anos foram lidos e debatidos 56 livros, com crescente entusiasmo dos frequentadores do Clube de Leitura.

As obras escolhidas abrangem diferentes gêneros literários: poesia, memória, conto, e há a predominância do romance, entre as preferências dos leitores.

A parceria entre o Sindi Clube, Academia Paulista de Letras e editora Companhia das Letras têm produzido frutos.

Hoje existem 23 clubes de leitura em agremiações paulistas, na comunidade de Paraisópolis e outros em processo de criação.

Todos os integrantes de Clubes de Leitura estão convidados a participar desse evento.

Visite o nosso portal e curta o Sindi-Clube no Facebook Instagram para saber mais de assuntos que interessam ao seu clube.