Presidente do Sindi-Clube é entrevistado na Rádio Trianon e fala das suas metas à frente da entidade

Albuquerque, Movizzo e Lauletta
Albuquerque, Movizzo e Lauletta

Paulo Cesar Mário Movizzo, eleito presidente do Sindi-Clube, em 12 de janeiro, para o período 2017/2020, falou dos objetivos de sua gestão em entrevista à Rádio Trianon de São Paulo.

Movizzo, acompanhado pelo diretor-executivo Cláudio Lauletta, foi entrevistado no programa Radar Paulista, apresentado por Renato Albuquerque, em 27 de janeiro.

O presidente do Sindi-Clube disse que pretende enfatizar ainda mais o trabalho da entidade em todas as regiões do Estado, com a criação de duas novas diretorias regionais para atender o Grande ABC Paulista e o Vale do Paraíba.

O dirigente afirmou também que pretende oferecer alternativas de redução de custos aos clubes associados.

Entre elas, está a realização de pregões eletrônicos, organizados pela Bolsa Brasileira de Mercadorias, para a compra de materiais e insumos, feita em grupo, por clubes.

Também está nos planos da nova gestão a criação de um manual de compliance para os clubes, como forma de incentivo à atuação em conformidade com leis e regulamentos, de acordo com as boas práticas da governança corporativa.

Ouça a íntegra da entrevista aqui.

Visite o portal  e curta a página do Sindi-Clube no Facebook para saber mais de assuntos que interessam ao seu clube.

Exercício estimula mecanismo de química cerebral como fonte de prazer

Foto: Shutterstock
Foto: Shutterstock

Turíbio barros*

Existe um mecanismo que desempenha enorme importância no contexto dos benefícios do exercício.

Em geral, muito bem documentados, os efeitos cardiorrespiratórios e metabólicos talvez sejam os mais valorizados, pois resultam em benefícios mais evidentes como melhora da resistência, aumento de força e desenvolvimento de massa muscular, entre outros.

No entanto, outra vantagem acionada pelo exercício (que ainda é pouco conhecido, talvez pela complexidade de sua natureza) é o que se manifesta através da química cerebral.

Este é um campo que carece de melhor entendimento, pois não é ajustado pela frequência cardíaca, nem pela carga em um equipamento de academia nem mesmo pela distância percorrida (ou qualquer outro indicador subjetivo de intensidade ou duração).

A ciência do exercício já identificou alguns mediadores químicos associados com os benefícios da atividade física na química do cérebro, dos quais as endorfinas parecem exercer papel importante na sensação de prazer.

Entretanto, fica cada vez mais evidente que o entendimento deste mecanismo vai muito além da liberação de endorfinas.

A importância deste processo tem sido cada vez mais valorizada.

Um artigo publicado recentemente no Jama (The Journal of the American Medical Association), uma das revistas científicas mais valorizadas no mundo inteiro, identificou também o benefício de atividades físicas de lazer na redução de 13 diferentes tipos de câncer, em um estudo realizado com mais de um milhão de pessoas.

Quando, hoje em dia, já se fala com convicção que “Exercício é Remédio” (Exercise is Medicine), cada vez mais fica evidente que a atividade física – e a sensação de prazer estimulada pela química cerebral – é um remédio que tanto pode curar como prevenir doenças de diferentes tipos.

*Turíbio Barros
Mestre e Doutor em Fisiologia do Exercício pela Escola Paulista de Medicina. É membro do American College of Sports Medicine, professor e coordenador do Curso de Especialização em Medicina Esportiva da Unifesp e fisiologista do São Paulo Futebol Clube e coordenador do Departamento de Fisiologia do Esporte Clube Pinheiros www.drturibio.com

Visite o portal  e curta a página do Sindi-Clube no Facebook para saber mais de assuntos que interessam ao seu clube.

Renan Dal Zotto define comissão técnica da seleção masculina de vôlei

Foto: Divulgação/CBV
Foto: Divulgação/CBV

O novo técnico da seleção masculina de vôlei, Renan Dal Zotto, anunciou a base da nova comissão técnica, para o ciclo olímpico dos Jogos de Tóquio 2020.

A principal novidade é a entrada do assistente técnico Marcelo.Fronckowiak, que comanda o Canoas (RS), no lugar de Rubinho, braço direito do antigo técnico da seleção.

Renan também convocou o assistente técnico do Rexona-Sesc (RJ) Ricardo Tabach, e o preparador físico Renato Bacchi, ambos já integravam o time campeão olímpico.

A única mudança na comissão técnica confirmada foi elogiada pelo comandante.

”O Fronckowiak já dirigiu times na Europa, liderou um grande projeto com o extinto RJX, sendo campeão da Superliga, tem um histórico vitorioso como atleta e como técnico, é muito estudioso, já demonstrou competência e temos certeza que tem muito a contribuir com a seleção brasileira”, disse Renan.

Os quatro profissionais já se reúnem nesta semana para dar início ao planejamento para a temporada 2017.

O primeiro compromisso da seleção brasileira neste ano será a Liga Mundial, que começa em 2 de junho.

Visite o portal  e curta a página do Sindi-Clube no Facebook para saber mais de assuntos que interessam ao seu clube.

CBC repassa mais de 200 milhões para formação de atletas

Recursos beneficiam 37 modalidades olímpicas e paraolímpicas (Foto: Divulgação/ministério do esporte)
Recursos beneficiam 37 modalidades olímpicas e paraolímpicas (Foto: Divulgação/ministério do esporte)

O Comitê Brasileiro de Clubes (CBC), nova marca da até então Confederação Brasileira de Clubes, repassou para 30 clubes cerca de R$ 84 milhões que custearão o pagamento de 705 profissionais da área esportiva, entre técnicos, auxiliares, preparadores físicos e fisioterapeutas.

São 37 modalidades olímpicas e paraolímpicas atendidas, beneficiando cerca de 15 mil atletas, vinculados aos clubes que apresentaram projetos e atenderam ao edital de convocação número 6 da entidade.

No ciclo olímpico de 2016 e 2020, o CBC disponibilizará mais de 200 milhões para clubes de todo o Brasil.

Os recursos são equivalentes a 0,5% do arrecadado com as loterias, previstos na Lei Pelé.

A cerimônia de repasse dos recursos foi realizada no Rio de Janeiro, em 23 de janeiro, com as presenças do ministro do Esporte, Leonardo Picciani, e do presidente do CBC, Jair Pereira, e outras autoridades. O presidente do Sindi-Clube, Paulo Cesar Mário Movizzo, esteve presente.

Visite o portal  e curta a página do Sindi-Clube no Facebook para saber mais de assuntos que interessam ao seu clube.30

Cuidado! Anabolizantes e hormônios bioidênticos têm mesmo efeito nocivo

Nabil Ghorayeb*

shutterstock_516086428

O combate ao sedentarismo é um assunto muito em voga atualmente.

Muitas pessoas buscam no caminho mais curto o mesmo resultado do caminho mais árduo para ativar o organismo.

Seja na saúde ou em diferentes esferas da vida, pegar a tangente e tentar burlar a lei do esforço sempre traz contratempos.

No que diz respeito ao combate ao sedentarismo, temos a obrigação moral de voltar aos assuntos hormônios (Testosterona, DHEA, GH) e anabolizantes, hoje uma verdadeira epidemia que assola esportistas de todas modalidades e idades.

A Revista Europeia de Cardiologia publicou um artigo de alerta para quem usa os hormônios bioidênticos (que possuem a mesma estrutura química e molecular encontrada nos hormônios produzidos no corpo humano) no tratamento antienvelhecimento.

Intitulado a partir do questionamento “Testosterone: a hormone preventing cardiovascular disease or a therapy increasing cardiovascular events?” (Testosterona: um hormônio que previne doenças cardiovasculares ou uma terapia que aumenta os eventos cardiovasculares?), o artigo afirma que as terapias exógenas (gel e injetáveis), usadas para restaurar os níveis normais de testosterona, não mostraram qualquer benefício com relação à diminuição dos eventos de doenças cardiovasculares.

E pior: têm potencial efeito nocivo.

EXEMPLOS VIVOS

Por coincidência, tivemos a oportunidade de consultar dois casos típicos e extremamente graves.

O primeiro, o de um jovem de 40 anos com antecedentes totalmente sadios, que por sugestão de um amigo instrutor da academia que frequenta em São Paulo, decidiu usar testosterona e anabolizante “puro e sem risco” para ficar mais forte e sentir-se bem.

Em poucas semanas seus níveis de testosterona atingiram grau extremamente perigoso (quase 2000 ng/dl), aliado à hipertensão arterial com comprometimento renal, além de arritmias cardíacas graves.

Esse rapaz ainda usou o hormônio DHEA, orientado por seu instrutor com “precursor da testosterona e sem efeitos colaterais”.

Resultado: com 40 anos, o rapaz teve sua saúde deteriorada e seu organismo desregulado.

Em outro caso, uma senhora de 50 anos, esportista regular por muito tempo, procurou um médico para o tratamento “antiaging” (antienvelhecimento), usando hormônios bioidênticos por meio de gel de testosterona.

A consequência foi o aumento do hormônio em nível patológico, superiores a de um homem, além da elevação do colesterol ruim (LDL) e leve hipertensão arterial, para completar os riscos.

Foi-lhe acrescentada a ingestão de Vitamina D oral, o que fez com que os níveis dessa vitamina atingissem mais do que o triplo do normal, potencializando outros ricos eminentes à sua saúde.

O tratamento “antiaging” é proibido no Brasil, pois carece de consistência científica e indica possíveis danos graves à saúde (câncer e outras alterações cardiovasculares).

O custo desse tratamento não autorizado pode ser ressarcido via Judiciário, por ser proibido pelo Conselho Federal de Medicina e ANVISA.

Insistimos para que se pratique esporte sem uso de drogas ou medicamentos.

Procure um nutricionista de confiança para saber da sua necessidade – ou não – de suplementação, bem como um profissional de educação física para segurança e resultados dos treinos, após a conveniente avaliação médica competente.

*NABIL GHORAYEB
Formado em medicina pela Faculdade de Medicina de Sorocaba PUC-SP, doutor em Cardiologia pela Faculdade de Medicina da USP , chefe da seção CardioEsporte do Instituto Dante Pazzanese Cardiologia, Especialista por concurso em Cardiologia e Medicina do Esporte, Médico Sênior do Grupo Fleury Medicina e Saúde, Coordenador da Clínica CardioEsporte do HCor, CRM SP 15715 , Prêmio Jabuti de Literatura Ciência e Saúde. www.cardioesporte.com.br    

Confederação Brasileira de Judô convoca, pela primeira vez, duas campeãs olímpicas para Grand Slam de Paris

Sarah Menezes está entre as convocadas (Foto: Marcelo Pereira/Exemplus/COB)
Sarah Menezes está entre as convocadas (Foto: Marcelo Pereira/Exemplus/COB)

A Confederação Brasileira de Judô (CBJ) anunciou a lista das 15 atletas que disputarão o Grand Slam de Paris, em 11 e 12 de fevereiro.

Esta é a primeira vez que duas campeãs olímpicas fazem parte da mesma delegação.

Sarah Menezes foi medalha de ouro em Londres 2012 e terá grande teste no peso meio-leve, sua nova categoria.

Já Rafaela Silva, campeão em 2016 nos Jogos do Rio, estreará seu backnumber dourado (identificação diferenciada no quimono) defendendo o Brasil em competições.

“Lutar em Paris é como fazer uma luta dentro de um estádio de futebol lotado. São sempre muitos atletas e muitos torcedores, o que me motiva bastante. Além disso, os franceses são ótimos anfitriões e sempre sou muito bem recebida pelas meninas da seleção da França”, disse Rafaela, dona de dois bronzes no Grand Slam.

Além das medalhistas olímpicas, foram escolhidas para o torneio as atletas Larissa Farias 48kg, Érika Miranda 52kg, Yanka Pascoalino 63kg, Maria Portela 70kg, Maria Suelen Altheman +78kg.

Visite o portal  e curta a página do Sindi-Clube no Facebook para saber mais de assuntos que interessam ao seu clube.

Cinco dicas para manter o rendimento nos treinos e provas durante o verão

Foto: Shutterstock
Foto: Shutterstock

Gustavo Luz*

Evite os horários de sol forte

Pode parecer clichê, mas começar com a estratégia de fugir dos horários de sol forte é uma das estratégias mais eficientes.

Por um tempo eu pensei que esse era um erro clássico dos mais iniciantes, mas percebi que tem muito corredor veterano que acaba quebrando e colocando a culpa no sol.

Invista em treinos ao amanhecer ou no fim do dia, já à noite (e mesmo assim, em algumas cidades, isso não é garantia de muito refresco).

Esteira e ar condicionado salvam

Existem dias tão quentes e úmidos que treinar na rua não vale à pena, dependendo do horário que você vai.

Nessa situação, se possível, faça o treino na esteira da academia (com ar condicionado).

Se isso não for uma possibilidade, faça algumas caminhadas, de 1 ou 2 minutos, por exemplo, no seu treino de corrida ou troque-o por uma caminhada mesmo.

Água a mão sempre

Corra com uma pequena garrafa de água em mãos.

Não precisa ser importada, térmica nem nada.

Existem umas garrafinhas de refrigerante de aproximadamente 250ml que podem ser aproveitadas.

Mesmo que no começo você se sinta um pouco desconfortável correndo com algo na mão, rapidamente vai perceber que vale muito à pena beber água sempre que desejar.

Provas longas, só no inverno

Se o seu objetivo é correr por muitos e muitos anos, procure fazer as suas provas mais longas no inverno.

Assim você evita fazer os treinos mais longos com temperaturas muito altas. Isso é interessante, pois temperatura e umidade altas fazem o organismo trabalhar de forma mais intensa para manter seu corpo em movimento.

Isso pode ajudar a evitar lesões, doenças e somar mais alguns anos a sua carreira de corredor.

Desacelerar para completar

A última dica também vale para as provas.

Se você chegar na largada e perceber que temperatura e umidades estão altas, já se programe para ajustar seu ritmo de prova.

Se você compete uma prova de 10 km em ritmo de 5’/km, por exemplo, uma boa estratégia é começar uns 10 ou 15 segundos mais lento.

Isso dá tempo de avaliar se será possível acelerar e acertar o ritmo mais para frente ou se vai ter que ser ainda mais conservador.

GUSTAVO LUZ
É educador físico formado pela Estácio de Sá, treinador de corrida e triatlo desde 2006 e praticante há quase 18 anos. Diretor técnico da G-LUZ Top Team, vive atento a tudo que se refere à fisiologia do exercício. Também fala com conhecimento empírico de quem está sempre frequentando as competições.

Visite o portal  e curta a página do Sindi-Clube no Facebook para saber mais de assuntos que interessam ao seu clube.

A importância de se ter uma contabilidade organizada nos clubes

Foto: Shutterstock
Foto: Shutterstock

A blindagem da gestão de um clube contra imprevistos legais começa pela boa organização da sua contabilidade.

Sabe-se que, em meio ao emaranhado de normais e leis, são muitas as formas em que os clubes, seus diretores e até mesmo seus associados, podem sofrer condenações legais pelo fato de não manter em ordem a contabilidade.

Esse é o alerta lançado pelo consultor Jurídico do Sindi-Clube, Valter Piccino, para ressaltar a importância de se dar transparência aos atos contábeis.

“A inobservância das normas emitidas pelo Conselho Federal de Contabilidade, cujos comandos estão contidos na legislação tributária, no Código Civil e no próprio estatuto da associação, é essencial para a vida do clube. Não apenas pelo aspecto da responsabilização do dirigente pelos atos contábeis, mas também, por exemplo, porque os clubes terão seus balanços analisados pelas instituições financeiras para concessão de financiamentos”, explica.

O consultor acrescenta que a contabilidade em ordem facilita o cumprimento das obrigações fiscais acessórias, estabelecidas no Sped Fiscal.

A contabilidade deve ser elaborada com escrituração diária, em ordem cronológica, baseada em documentação adequada.

Assim, toda aquisição feita deve ter o suporte de uma nota fiscal.

Também deve ser observado o princípio da competência, isto é, despesas e receitas devem ser contabilizadas dentro dos meses em que foram implementadas.

A folha de pagamento é despesa do próprio mês, embora o desencaixe ocorra no mês subsequente.

O mesmo deve ser feito com encargos e impostos que são apropriados no mês de competência para posterior recolhimento.

Taxas de depreciação e amortização também devem ser reconhecidas mensalmente, segundo o consultor, seguindo os parâmetros da legislação fiscal.

Assim, móveis e utensílios têm depreciação anual de 10%, equipamentos de informática e veículos, 20%, e imóveis, 4%, entre outros.

Também é importante a formação de reservas para a satisfação de contingências futuras, como débitos trabalhistas com grande probabilidade de perda.

Informações acessíveis

O clube deve produzir, se possível, um balanço mensal, em vez do balancete, que é uma peça técnica de difícil interpretação da informação contábil.

“Em nome da transparência, deve-se optar por facilitar a visualização e a interpretação dos dados. O plano de contas é a estrutura-base que vai determinar os tipos de relatórios que serão gerados. Dentro desses relatórios podem ser criados os chamados centros de custos que permitem, por exemplo, a contabilização da folha de pagamento e seus encargos pelos diferentes setores do clube, de forma discriminada”, afirma.

É importante e de caráter obrigatório que o balanço tenha notas explicativas que informem como a peça foi produzida, as técnicas utilizadas.

“O que se vê é que, geralmente, não se explicam os critérios de apuração de receitas despesas, especialmente as gratuidades, ou seja, a renúncia de receitas em decorrência de associados remidos, por exemplo. Nas notas explicativas também precisam ser declarar os tipos de seguros contratados, com um resumo de cada contrato”, diz o consultor.

Ele ressalta também que a contabilidade deve espelhar a realidade do clube e, dentro desse conjunto de especificações, necessita ser mensalmente confrontada com o orçamento para se comparar os parâmetros do orçado e o realizado.

Com isso, o administrador pode rapidamente tomar providências para eventuais correções.

Por último, Piccino lembra que a contabilidade dos clubes de futebol profissional deve seguir o roteiro previsto na ITG 2003 (Interpretação Técnica Geral do Conselho Federal de Contabilidade) e as demais associações esportivas a ITG 2002.

A ITG 2003 estabelece um tratamento diferenciado para registrar o custo de formação de atletas e os direitos federativos dos jogadores profissionais.

O balanço final, com a aprovação do Conselho Fiscal do clube, assim como todas as certidões de regularidade fiscal e trabalhista, devem publicados no site do clube.

Centro Paraolímpico recebe evento internacional

Centro Paraolímpico

O Centro de Treinamento Paraolímpico Brasileiro receberá, neste ano, a sua primeira competição internacional.

Os Jogos Parapan-Americanos de Jovens de 2017, em São Paulo, representarão a abertura da instalação para eventos de grande porte com atletas de outros países.

São esperados quase mil atletas entre os dias 20 e 25 de março.

A idade dos participantes de mais de 20 nacionalidades varia de 13 a 21 anos.

A programação da competição contará com 12 modalidades: atletismo, bocha, futebol de 5, futebol de 7, goalball, judô, halterofilismo, vôlei sentado, natação, tênis de mesa, basquete em cadeira de rodas e tênis em cadeira de rodas.

Apenas esta última não será sediada no Centro de Treinamento, inaugurado em maio de 2016.

Prática de exercício e suplementação ajuda a “rejuvenescer” os músculos

Foto: Shutterstock
Foto: Shutterstock

Turíbio Barros*

Um trabalho científico publicado na revista Exercise and Sport Sciences Reviews apontou mais um motivo para que idosos e indivíduos de meia idade associem a prática de atividades físicas com a suplementação proteica.

De acordo com o estudo, entre vários fatores, acredita-se que a perda de massa muscular que acompanha o envelhecimento seja decorrente, em grande parte, da dificuldade dos idosos de digerir e absorver as proteínas e aminoácidos, para que esses nutrientes sejam captados de maneira apropriada e suficiente.
As várias pesquisas citadas mostram que a prática de exercícios associada à suplementação adequada de proteínas e aminoácidos é capaz de promover o aumento dessa captação pelos músculos, contribuindo para o aumento da síntese de proteínas com consequente aumento da massa muscular mesmo durante o processo de envelhecimento.

Além disso, as pesquisas mostram que esse estímulo conferido pelo exercício pode perdurar por vários dias.

De acordo com os achados na literatura científica, pode-se dizer que a prática regular de exercícios “rejuvenesce” o músculo.

A boa notícia? 
Mesmo caminhadas de baixa intensidade já são capazes de atenuar os efeitos negativos relacionados com o processo de envelhecimento, sendo, portanto, suficientes para atenuar a perda de massa muscular em idosos.

O estudo ressalta que é a falta da prática regular de atividades físicas o principal fator responsável pela perda de massa muscular com a idade e que, portanto, além de uma ingestão adequada de proteínas e aminoácidos, a adoção de um estilo de vida mais ativo é indispensável para um envelhecimento mais saudável e independente.

Colaborou Gerseli Angeli

*TURÍBIO BARROS
Mestre e Doutor em Fisiologia do Exercício pela EPM. É membro do American College of Sports Medicine, professor e coordenador do Curso de Especialização em Medicina Esportiva da Unifesp e fisiologista do São Paulo FC e coordenador do Departamento de Fisiologia do E.C. Pinheiros www.drturibio.com.

Visite o portal  e curta a página do Sindi-Clube no Facebook para saber mais de assuntos que interessam ao seu clube.